Número de mortes violentas no Brasil cresce e chega a 63,8 mil em um ano

Janaina Garcia*

Do UOL, em São Paulo

  • Márcio Bittencourt/Estadão Conteúdo

Em média, 175 pessoas morreram a cada dia, em 2017, no Brasil, em decorrência de mortes violentas intencionais. Ao todo, isso representa um total de 63.880 mortes, o maior número desde 2013, quando teve início a série histórica realizada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O dado representa um aumento de 2,9% em relação a 2016 e foi compilado pela entidade a partir de registros das polícias e outras instituições ligadas à segurança pública pelo país.

A partir dos números, é possível calcular que, para cada 100 mil brasileiros, 30,8 foram mortos e 2017. A constatação está no 12º Anuário de Segurança Pública, apresentado nesta quinta-feira (9) pelo Fórum, em São Paulo, com informações sobre segurança e violência de todo o Brasil.

O Fórum considera mortes violentas intencionais o conjunto dos casos de homicídio doloso (ou seja, com intenção de matar), lesão corporal seguida de morte, mortes causadas pela polícia, morte (ou vitimização) de policiais e latrocínios (roubo seguido de morte).

Os Estados mais violentos, segundo o levantamento, são Rio Grande do Norte, Acre, Ceará, Pernambuco e Alagoas. Na outra ponta estão São Paulo, Santa Catarina, Distrito Federal e Minas Gerais.

Por capitais, as taxas mais altas de mortes intencionais foram registradas em Rio Branco, Fortaleza e Belém. São Paulo, Campo Grande e Brasília são as menos violentas. A média em todas as capitais foi de 34 mortes por 100 mil habitantes.

Eleições

Os dados do anuário foram divulgados a menos de dois meses para as eleições e em uma pré-campanha dominada, até agora, pela temática da segurança pública.

Com o argumento de se evitar uso político-eleitoral dos dados, os integrantes do Fórum afirmaram que só ontem à noite passaram o resultado do estudo aos secretários estaduais de Segurança Pública.

Pela primeira vez, o Fórum obteve o número de armas apreendidas pelas polícias --119.484, 0,2% a mais que 2016.

Desse volume, 94,9% das armas não foram cadastradas no sistema da Polícia Federal. "Portanto, dificilmente você consegue rastrear o que aconteceu com essa arma e saber se ela não vai voltar para o circuito", afirmou o presidente do Fórum, Renato Sérgio de Lima.

"O grande debate hoje de boa parte dos candidatos é sobre porte de arma de fogo pelo cidadão -- que tal saberem primeiro para onde estão sendo destinadas quase 95% das armas apreendidas no país? Esse é um dado que explica muito do aumento da violência", defendeu Lima.

"Se reagirmos com violência a mais violência, aonde vamos parar? Não tem salvador da pátria ou demagogia capaz de sobreviver a essas estatísticas", concluiu.

"O debate sobre segurança pública precisa ser travado não sobre questões morais, mas no campo da política. O problema é a violência, não apenas o crime organizado ou porte de armas", reforçou a diretora-executiva do Fórum, Samira Bueno.

Violência contra a mulher

Crimes com natureza de gênero também registraram piora nos índices em comparação com o ano passado.

Estupros, por exemplo, cresceram 8,4% --60.018, ao todo. Homicídios contra mulheres também aumentaram --4.539 em todo o país, 6,1% a mais que em 2016. Esse número não contempla, no entanto, crimes de feminicídio --registrados pela primeira vez no anuário e somados, ao todo. 1.133 em todo o Brasil.

Registros de violência doméstica (lesão corporal culposa), também compilados pela primeira vez, totalizaram 221.238, ou 606 por dia.

De acordo Bueno, a análise pormenorizada dos dados fornecidos pelas polícias, porém, indica que, ainda que não registrados pela Polícia Civil como tal, "no mínimo 50%" dos homicídios contra mulheres são feminicídios, com base, por exemplo, no local em que ocorreram, como na casa da própria vítima.

Susp ajudará a combater a criminalidade, diz governo

Nesta quinta, o ministro Raul Jungmann (Segurança Pública) afirmou que a resposta do governo federal aos índices de violência é a criação de uma coordenação nacional com órgãos da área e de monitoramento e a implementação do Susp (Sistema Unificado de Segurança Pública) até o fim do mês junto à aprovação da política nacional de segurança pública.

"Ainda ao final deste mês, estaremos implantando o Susp e aprovando uma política nacional de segurança pública que vai, pela primeira vez, reunir União, estados, municípios, polícias federal, militares, civis, Ministério Público, Judiciário. Essa é a nossa resposta e tenho certeza de que vamos avançar na segurança dos brasileiros e na redução da violência", disse.

O Ministério da Segurança Pública divulgou licitação para comprar oito mil veículos a R$ 1 bilhão para modernizar a frota policial pelo Brasil. Segundo Jungmann, a nova frota renovará 23% do quantitativo existente, com foco em carros tipo sedan e caminhonetes. A expectativa é que sejam entregues até o final do ano.

Vinte estados e oito municípios deverão ser beneficiados por meio do financiamento do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) de 84 meses e dois anos de carência. Nesta sexta, deverá ser lançada outra licitação para a aquisição de coletes a prova de bala.

*Colaboração de Luciana Amaral, em Brasília

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos