Topo

Defensoria vê indícios de fuzilamento em ação policial que matou 13 no Rio

Pilar Olivares/Reuters
Polícia forense inspeciona lugar onde suspeitos foram mortos pela polícia no Fallet, Rio Imagem: Pilar Olivares/Reuters

Sérgio Ramalho

Colaboração para o UOL, no Rio

2019-02-12T13:01:30

12/02/2019 13h01

Resumo da notícia

  • Ação policial deixou 13 mortos na sexta-feira (8) no Rio de Janeiro
  • Familiares das vítimas acusam polícia de execução, inclusive com facadas
  • Defensoria quer laudos dos cadáveres para averiguar se houve fuzilamento

O ouvidor-geral da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, Pedro Daniel Strozenberg, disse ao UOL que existem fortes indícios de fuzilamento na operação que resultou em 13 mortes durante operação dos batalhões de Operações Especiais (BOPE) e de Choque (BPChq) da Polícia Militar, nos morros da Coroa, Fallet, Fogueteiro e dos Prazeres, em Santa Teresa e no Catumbi, no Centro da Rio, na última sexta-feira. 

A comissão da Defensoria vai às comunidades hoje para colher relatos de parentes e moradores sobre o episódio. A instituição afirma que vai solicitar acesso aos laudos de necropsia dos mortos para, assim, tentar esclarecer se houve "um confronto ou execuções sumárias".

É importante esclarecer as circunstâncias em que eles foram mortos. Há quem diga, sobretudo, entre os policiais militares, que a operação foi um sucesso por terem sido mortos bandidos. Entretanto, há fortes indícios de fuzilamento. Para garantir transparência à apuração vamos solicitar acesso aos laudos cadavéricos. Assim poderemos saber ao certo o número de tiros que atingiram cada um dos mortos e a trajetória das balas.
Pedro Daniel Strozenberg, ouvidor-geral da Defensoria Pública do RJ

Fontes ouvidas pelo UOL, que pediram para não serem identificadas, afirmam que em ao menos 8 dos 13 mortos os legistas constataram concentração de tiros pelas costas e na cabeça. Esta versão é diferente da apresentada pelos policiais de que houve intensa troca de tiros.

Em relatos, alguns moradores do Fallet-Fogueteiro dizem que os policiais surpreenderam o grupo, na rua Eliseu Visconti, atirando de cima para baixo. 

No local, nove suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas foram baleados e levados ao Hospital Souza Aguiar, onde chegaram mortos, segundo nota da Secretaria Municipal de Saúde. Na ocasião foram apreendidos dois fuzis, dez pistolas e quatro granadas.

Strozenberg afirma que se não houver uma resposta clara à primeira chacina ocorrida no governo do ex-juiz federal Wilson Witzel, episódios semelhantes vão voltar a acontecer. O governador se elegeu defendendo o "abate de criminosos" flagrados com fuzis, inclusive usando drones. 

Mãe diz que filho foi executado por PMs no Rio de Janeiro

UOL Notícias

A Divisão de Homicídios (DH) está investigando o caso e solicitou a apreensão das armas usadas pelos policiais que participaram da operação para exame de confronto balístico. 

A suspeita de execução levou a Anistia Internacional a pedir uma investigação rigorosa ao Ministério Público e à Polícia Civil sobre as 13 mortes. Essa foi a maior quantidade de vítimas mortas registrada numa operação policial no Rio de Janeiro desde 2007.

Mais Cotidiano