PUBLICIDADE
Topo

MPF quer remoção de famílias por risco em barragem no interior de SP

Município de Iaras, no interior de São Paulo, ameaçado por um reservatório de água do Incra - Divulgação/Câmara Municipal de Iaras
Município de Iaras, no interior de São Paulo, ameaçado por um reservatório de água do Incra Imagem: Divulgação/Câmara Municipal de Iaras

Luciana Quierati

Do UOL, em São Paulo

17/07/2019 11h48Atualizada em 18/07/2019 07h38

O risco de rompimento de uma barragem de água no município de Iaras (SP) fez o MPF (Ministério Público Federal) pedir que a Justiça obrigue o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e a União a fazerem obras emergenciais, iniciarem o esvaziamento do reservatório e removerem imediatamente as famílias que podem ser atingidas.

A barragem, que está abandonada, fica no assentamento rural Zumbi dos Palmares, na zona rural de Iaras, um município de apenas 29 anos, população estimada em 7.700 habitantes e distante 280 km da capital paulista.

Segundo o MFP, o Incra, responsável pelo reservatório, reconhece que a precariedade da situação se deve à falta de medidas simples de manutenção ao longo dos anos, como a poda da vegetação, a remoção de formigueiros e a contenção de erosões. Mas que tem se negado a tomar providências para prevenir a ruptura alegando falta de dinheiro.

Ainda segundo o MPF, em outubro do ano passado, técnicos do Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (Daee) teriam constatado o risco de rompimento e indicado a necessidade de obras urgentes no local. Até agora, no entanto, as únicas intervenções na estrutura teriam sido feitas pela prefeitura de Iaras, de maneira pontual, segundo o MPF.

De acordo com o laudo do Daee, as ações para garantir a segurança da estrutura custariam em torno de R$ 1,9 milhão. O Incra afirma, segundo o MFP, que a solução não só definitiva como também mais barata seria o esvaziamento do reservatório, mas que não dispõe sequer dos R$ 261,5 mil necessários para a contratação desse serviço.

A barragem tem cerca de 400 metros de extensão e espelho d'água de 240 mil m². Segundo o MPF, este é apenas um dos milhares de reservatórios sob responsabilidade do Incra que, segundo informações do Tribunal de Contas da União, estão abandonados em todo o país.

Contatado pelo UOL, o Incra Sede, em Brasília, informou que ainda não havia sido notificado da ação do MPF, mas que está tomando as providências imediatas para o esvaziamento a barragem, com destinação de R$ 21,5 mil para a regional de São Paulo visando à contratação das obras.

Cotidiano