Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Relatório aponta cinco crianças mortas no ano em operações policiais no Rio

Do UOL

Em São Paulo

22/09/2019 15h50

Dados de um relatório do Fogo Cruzado apontam que a morte de Ághata Félix por uma bala perdida durante operação policial no Complexo do Alemão na última sexta-feira foi a quinta de uma criança no ano no estado Rio de Janeiro. Além das mortes, houve outras 12 crianças baleadas. O relatório tem ao todo 1.117 mortos e 260 feridos, com presença policial em 517 casos.

O levantamento cita entre os baleados uma criança de 1 ano, outra de 3, com os outros 12 casos envolvendo crianças entre 8 e 11 anos, além de dois bebês atingidos dentro da barriga da mãe.

Em fevereiro, Jenifer Silene Gomes, de 11 anos, foi morta depois de atingida por uma bala perdida no Jacarezinho, na zona norte do Rio. A mãe da menina acusou os policiais de terem efetuado o disparo.

Em março, Kauan Peixoto, de 12 anos, morreu após levar um tiro no abdômen durante um confronto na comunidade da Chatuba de Mesquita.

Em maio, Kauã Vítor Nunes Rozário, também de 11 anos, foi atingido por um tiro de fuzil quando andava de bicicleta na comunidade Vila Moretti, em Bangu. O menino teve morte cerebral depois de passar seis dias em coma.

Kauê dos Santos, 12 morto no dia 10 de setembro com um tiro na cabeça durante operação da PM no complexo do Chapadão na zona norte.

Outro caso de crianças atingidas foi dos irmãos Letícia Tamirez Ferreira, de 9 anos, e Cristiano Ronaldo Ferreira, de 6. Em junho, ela foi baleada no tórax e ele na mão enquanto estavam a caminho da escola em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

No dia 29 de agosto, a Lauane Cristina, de 7 anos, foi baleada na perna durante uma troca de tiros na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha.

O caso mais recente antes da morte de Ághata Félix havia sido o de Luiz Márcio Araújo Menezes, de 8 anos, que foi atingido por uma bala perdida no braço enquanto brincava em uma quadra do conjunto habitacional onde morava, em Maricá, na região metropolitana do Rio.

Moradores voltaram a protestar neste domingo em uma caminhada que partiu da UPA do Complexo do Alemão.

Mais Cotidiano