Topo

RJ: família busca menina de 6 anos desaparecida após sair com tio no sábado

Estela Evangelista de Oliveira, 6, que desapareceu no Rio de Janeiro no dia 5 de outubro - Arquivo pessoal
Estela Evangelista de Oliveira, 6, que desapareceu no Rio de Janeiro no dia 5 de outubro Imagem: Arquivo pessoal

Marina Andrade

Colaboração para o UOL, no Rio

09/10/2019 17h00

"Eu não estou podendo falar nunca. Eu estou na rua direto procurando por ela. Estou agora na Catedral da Lapa." Foi assim que Luciana Evangelista, 24, mãe da menina Estela Evangelista de Oliveira, 6, atendeu a reportagem do UOL.

Luciana tem procurado pessoalmente pela filha, vista pela última vez no sábado (5), em Santa Teresa, região central do Rio. Estela saiu na companhia do tio materno Paulo Sérgio, 32, que avisou à família que iria à praia com a menina, mas nenhum deles retornou para casa.

Os familiares da criança afirmam que só se deram conta da gravidade do ocorrido quando conseguiram contato com a namorada de Paulo Sergio na noite de segunda-feira (7). Eles acreditavam que Paulo poderia ter ido com a menina para a casa da namorada, algo comum à rotina do irmão. No entanto, a mulher informou à família que não havia visto o namorado e não sabia onde ele estava. A partir de daí, o caso foi registrado como desaparecimento na Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).

Desde então, a mãe da menina decidiu sair às ruas do Rio de Janeiro à procura da filha. Luciana perdeu outro filho há três meses. O menino tinha Síndrome de Down e morreu em decorrência de uma grave pneumonia.

A partir de uma postagem feita nas redes sociais, Luciana já obteve diversas informações, embora algumas desencontradas. A principal delas - ainda não confirmada -, de que Paulo Sérgio teria entregado a menina a uma mulher negra na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, no Centro do Rio, foi checada por Luciana no local. Lá, ela ouviu que seu irmão foi visto na Cinelândia com a menina. Amigas e um primo de Luciana que a ajudam nas buscas foram ao local, mas não encontraram Paulo Sérgio nem Estela.

De acordo com a mãe de Estela, não há histórico de doenças psiquiátricas do irmão, que, apesar de um passado turbulento com álcool, já havia conseguido superar o problema e era um familiar muito próximo da menina.

"Ele era uma pessoa da minha confiança, é meu irmão. Eu vivia na mesma casa que ele. Eu tinha confiança nele", diz Luciana, que vive com a filha Estela, os irmãos Paulo Sérgio e Marcelino e uma prima de consideração na mesma casa, no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa.

Procurada, a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), onde o caso foi registrado, não quis passar nenhuma informação sobre as investigações. De acordo com a assessoria de comunicação da Polícia Civil, a família prestou depoimento e, com base nessas informações, as investigações chefiadas pela delegada-titular Elen Souto "estão em andamento para esclarecer as circunstâncias do fato" desde terça-feira.

A criança e o tio seguem desaparecidos. Quem tiver informações ou pistas sobre o paradeiro de algum dos dois pode entrar em contato com o disque-denúncia (2253-1177), a polícia militar (190) ou com a DDPA (2202-0337/0338 e 2582-7126).

Cotidiano