Topo

Como o solo e minerais ajudam na identificação de corpos em Brumadinho

Bombeiros trabalham na localização de corpos em Brumadinho (MG) - Divulgação/Corpo dos Bombeiros de MG
Bombeiros trabalham na localização de corpos em Brumadinho (MG) Imagem: Divulgação/Corpo dos Bombeiros de MG

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

23/10/2019 12h13

A tragédia de Brumadinho, em 25 de janeiro, trouxe conhecimentos para órgãos ambientais, mineradoras, população e peritos. No caso desses últimos, as técnicas para identificar os corpos deram certo, mas, isoladas, não garantiriam o sucesso. As condições de conservação dos corpos se mostraram um fator determinante.

Um exemplo é o caso do corpo de Robert Ruan Teodoro, encontrado no 268º dia de buscas, no último sábado (19). O nome dele foi confirmado após um exame de necropapiloscopia, cedido ao IML de Belo Horizonte pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O trabalho para a polícia confirmar a identidade de Robert foi feito a partir da coleta das digitais das mãos de Teodoro. Após o material ser coletado, ele foi comparada com os dos desaparecidos. São localizados 12 pontos em comum entre as duas para poder caracterizar a "positividade".

Segundo Thales Bittencourt de Barcelos, superintendente de polícia técnico-científica de Minas, o método é eficaz. "Altamente seguro e confiável. A impressão digital não é semelhante nem mesmo entre irmãos gêmeos", diz.

É necessário, porém, treinamento altamente qualificado para obter a digital do cadáver em putrefação.

Por isso, para chegar à conclusão certa de quem é o corpo, o fato dele estar em bom estado de conservação é uma grande vantagem. "A principal condição necessária para aplicar a técnica é a existência da mão, com polpas digitais, e a conservação ainda que parcial do cadáver, principalmente nessas áreas", explica Thales.

E isso vem acontecendo em Brumadinho. Um fenômeno chamado de saponificação, ou adipocera, não muito comum, tem feito toda a diferença. O corpo vira uma espécie de sabão devido a características do solo, da composição da lama, da umidade e da baixa oxigenação. Com isso, a conservação é maior e retarda a decomposição. Assim, ficam preservados tecidos biológicos e, se necessário, cartilagem para exames de DNA.

"Outra coisa que interfere muito é a presença de minerais no solo. Os corpos estão enterrados em rejeitos de minério. A literatura ainda fala da presença de algumas bactérias também", complementa o diretor do IML de Belo Horizonte, José Roberto de Rezende Costa.

Corpo é identificado quase nove meses após tragédia em MG

UOL Notícias

DNA é a última opção na identificação

O protocolo internacional manda analisar, nessa ordem, as impressões digitais, arcada dentária, dados antropológicos (características físicas como tatuagens, exames de tomografia e ressonância magnética) e, por fim, o DNA.

Todas essas técnicas tiveram papel importante em dois desastres brasileiros nos últimos anos: o acidente com o voo 1907 da Gol na selva amazônica, em setembro de 2006, e os mortos em decorrência das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro, em janeiro de 2011.

O perito médico-legista Samuel Ferreira, especialista em identificação humana da Polícia Civil do Distrito Federal, participou dos dois casos. "Cada desastre tem suas caraterísticas e contexto. É sempre um desafio. E é fundamental estar preparado em termos de recursos humanos técnicos qualificados e treinados para atuar em cada caso e contexto, além de se investir em equipamentos, insumos e protocolos de atuação", aponta.

A corporação do DF foi convidada a ajudar nas identificações das vítimas de Brumadinho e está auxiliando nos trabalhos. "Apesar da tragédia e da comoção, o trabalho de resgatar os corpos e identificar as vítimas é muito gratificante, pois ajuda a devolver, de alguma forma, a memória daquela vítima, daquela pessoa que partiu a seus familiares", destaca.

Cotidiano