Topo

Índios afetados por lama da Vale elegerão entidade para assessorá-los

29.jan.2019 - Mulher indígena da tribo Pataxó Hã-hã-hãe observa um peixe morto nas margens do rio Paraopeba, em São Joaquim de Bicas, próximo a Brumadinho (MG). O rio foi atingido pelos rejeitos de minérios da barragem da Vale que rompeu no dia 25. Segundo a Funai, mais de 80 indígenas da tribo vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do Paraopeba - Adriano Machado/Reuters
29.jan.2019 - Mulher indígena da tribo Pataxó Hã-hã-hãe observa um peixe morto nas margens do rio Paraopeba, em São Joaquim de Bicas, próximo a Brumadinho (MG). O rio foi atingido pelos rejeitos de minérios da barragem da Vale que rompeu no dia 25. Segundo a Funai, mais de 80 indígenas da tribo vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do Paraopeba Imagem: Adriano Machado/Reuters

11/10/2019 19h19

Indígenas atingidos no rompimento da barragem da Vale, ocorrido em janeiro deste ano em Brumadinho (MG), irão escolher uma entidade para assessorá-los no processo de reparação dos danos causados pela mineradora. Ela deverá contar com profissionais nas áreas de engenharia, arquitetura, agroecologia e educação financeira, entre outras.

Mais de 250 pessoas morreram na tragédia de Brumadinho, que também causou a destruição de comunidades e poluição ambiental. Entre os atingidos, estão índios Pataxó Hã Hã Hãe e Pataxó da Aldeia Naô Xohã.

A primeira etapa do processo de seleção da assessoria técnica terá início na segunda-feira (14) com a abertura de um prazo de inscrições aos interessados, com chamamento público aberto conjuntamente pelo Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), defensorias Públicas da União e do Estado de Minas Gerais e Fundação Nacional do Índio (Funai). Candidaturas poderão ser apresentadas até 4 de novembro.

Somente podem participar do processo entidades sem fins lucrativos que comprovem total independência técnica, financeira e institucional em relação à Vale. As candidaturas que cumprirem todos os pré-requisitos previstos no chamamento público serão apresentadas aos indígenas, que tomarão a decisão.

A contratação de assessorias independentes se espelha nos desdobramentos do rompimento da barragem da Samarco, ocorrido em Mariana (MG) no ano de 2015. Os atingidos nesse episódio conquistaram judicialmente, com o apoio do MPMG e do MPF, o direito de contarem com a assessoria de profissionais de áreas variadas. A medida busca assegurar aos atingidos informações técnicas para negociar com a mineradora.

Após a ruptura na barragem da Vale, as vítimas nos variados municípios afetados também obtiveram esse direito. As entidades são sempre escolhidas pelos próprios atingidos e os custos da contratação são de responsabilidade da Vale.

Em maio, cerca de 300 moradores de Brumadinho reunidos em assembleia escolheram a Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (Aedas). A mesma entidade foi selecionada em junho pelos moradores da região composta pelos municípios mineiros de Mário Campos, São Joaquim de Bicas, Betim, Igarapé e Juatuba. No caso dos indígenas, a contratação da assessoria foi uma das medidas incluídas em Termo de Ajuste Preliminar Extrajudicial (TAP-E) firmado em abril entre a Vale e o MPF.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Meio Ambiente