PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
9 meses

Homem tem pênis atingido por ácido em SP; ex-namorada é suspeita

Getty Images
Imagem: Getty Images

Eduardo Schiavoni

Colaboração para o UOL, de Ribeirão Preto (SP)

07/11/2019 17h26

Um pedreiro de 45 anos teve o pênis atingido por ácido na tarde de ontem. A suspeita de cometer o crime é uma ex-namorada da vítima, que teria se aproveitado do momento em que o homem cochilava para cometer o crime. O homem está internado em estado estável na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. O caso está sendo investigado pelo 6º Distrito Policial de Ribeirão Preto.

Segundo o boletim de ocorrência, a ação ocorreu na tarde de ontem, às 15h30. Aos policiais, o homem relatou que estava dormindo em casa quando foi surpreendido pela ex-namorada, que jogou nele o material corrosivo. De acordo com o documento, o ácido atingiu a cintura do pedreiro, principalmente na região do pênis.

Consta ainda que o órgão ficou "derretido, sem a pele e com danos visíveis". O pedreiro apresentou também mensagens enviadas pela suspeita em seu celular nas quais ela pede desculpas pela atitude.

O homem foi socorrido por um vizinho e levado para o hospital, onde passou por um procedimento de limpeza e avaliação do órgão. Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, os médicos afirmaram que é precoce relatar sobre a eventual incapacidade sexual da vítima. Ele passará por outros exames para determinar o nível de comprometimento do pênis.

Repercussão

Em conversa com o UOL, o homem se disse muito abalado pelo fato. "Eu estou internado, estou abalado, não quero falar nada", disse.

Uma mulher que se identificou como integrante da equipe médica que faz o tratamento da vítima também falou com a reportagem. " Ele está sendo acompanhado e irá receber toda a ajuda psicológica para lidar com a situação", disse ela, que não quis fornecer sua identidade. Procurada, a assessoria de imprensa do Hospital das Clínicas ainda não se manifestou sobre o caso.

A vítima também não soube fornecer o nome completo de sua ex-namorada, mas deu à Polícia Civil indicações do local onde ela mora. Até o momento, a mulher não foi localizada. A polícia informou que fará diligências para localizá-la e que irá ouvir a vítima novamente após a alta médica. A mulher pode responder por lesão corporal, com pena de três meses a um ano — que pode ser majorada se o juiz considerar que é lesão corporal grave, o que vai depender dos laudos médicos.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do mencionado na primeira versão do texto, o ácido é corrosivo, e não abrasivo. A informação foi corrigida.

Cotidiano