PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses

Capixaba, versão do ES da cerveja Belorizontina, também está contaminada

Instagram/Reprodução
Imagem: Instagram/Reprodução

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

14/01/2020 00h03Atualizada em 14/01/2020 14h34

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento afirmou na noite de ontem que a marca Capixaba, cerveja que é comercializada no Espírito Santo pela cervejaria Backer, de Belo Horizonte, também está contaminada pelas substâncias tóxicas monoetilenoglicol e dietilenoglicol. Hoje a Backer informou que a Capixaba é a Belorizontina são a mesma cerveja, apenas usam rótulos diferentes por uma questão comercial.

Horas antes, o Ministério da Agricultura determinou, também nesta segunda, o recolhimento de todas as marcas de cerveja da Backer, inclusive a Belorizontina, por conterem as sustâncias, detectadas após a realização de análises em amostras de três lotes da cerveja. A decisão afeta os produtos fabricados a partir de outubro de 2019.

A empresa não confirmou até o momento quais cervejas foram produzidas nesse período. Em seu site, a cervejaria Backer lista 21 rótulos de sua produção, mas a relação de todos os rótulos não está clara, já que no site não inclui a marca Capixaba, por exemplo.

"As análises exploratórias, realizadas pelos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária nas amostras dos produtos Belorizontina e Capixaba, confirmaram a presença dos contaminantes monoetilenoglicol e dietilenoglicol", diz a nota.

"Estes produtos já estavam e continuam sendo retirados do mercado, por recolhimento feito pela própria empresa e por ações de fiscalização e apreensão dos serviços de fiscalização do Ministério", afirma o comunicado.

Além de determinar à Backer que recolha do mercado todas as marcas de cerveja que produz, o Ministério da Agricultura determinou o fechamento cautelar do Templo Cervejeiro da Backer, no bairro Olhos D´Água, na capital mineira. Também foram fechados o restaurante Três Lobos e a fábrica da companhia, que compõem o complexo cervejeiro da Backer, companhia criada em 1998 e pioneira na produção de cerveja artesanal em Minas Gerais.

O ministério ainda informou que foram apreendidos 139 mil litros de cerveja engarrafada e 8.480 litros de chope na sede da empresa. Também foram lacrados tanques e os demais equipamentos de produção.

"O Ministério segue atuando nas investigações e tomando medidas para mitigar o risco apresentado pelas cervejas contaminadas pelas moléculas dietilenoglicol e monoetilenoglicol. (...) Continuam as apurações para identificar as circunstâncias em que os fatos ocorreram, a fim de dar pleno esclarecimento à população", diz a nota.

Em nota, a Backer informou que está recorrendo da medida de recall solicitada pelo Ministério da Agricultura e voltou a afirmar que não faz uso do dietilenoglicol em seu processo produtivo.

"O episódio apurado pelas autoridades limita-se ao lote 'Belorizontina', não tendo qualquer relação com os demais rótulos da empresa, que possui processos autônomos de produção", diz o texto.

Cotidiano