PUBLICIDADE
Topo

Avenidas de Vitória têm manhã de medo com depredação e tiros

Do UOL, em São Paulo*

14/02/2020 12h03

Duas avenidas de Vitória foram fechadas e vivenciaram cenas de vandalismo na manhã de hoje. Vídeos compartilhados na internet mostraram depredações, tiros e desespero de moradores e comerciantes que tiveram de fechar as portas nas Avenidas Leitão da Silva e Marechal Campos, na capital capixaba. De acordo com a Polícia Civil, sete pessoas foram detidas até o momento.

Segundo a Polícia Militar, inicialmente a ação está relacionada a retaliações de criminosos por operações que têm sido realizadas em bairros da região.

Ainda de acordo com a corporação, a situação foi controlada após a chegada da policia, com pessoas fugindo e se escondendo em ruelas próximas.

Houve relatos de ataques a vários veículos. Dois ônibus foram incendiados na Avenida Maruípe — próximo ao quartel da Polícia Militar — e na Rodovia Serafim Derenzi, na região da Grande São Pedro, zona norte da cidade.

Ainda não há informações sobre vítimas. As duas avenidas já foram liberadas.

Em mensagem no Twitter, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, disse que prisões foram efetuadas.

"Bandidos reagem à ocupação da PM nos bairros, mas a polícia atuará com mais força ainda. Já efetuamos prisões de alguns desses criminosos. Essa será a nossa resposta", escreveu.

O policiamento está reforçado em grande parte do centro da capital do Espírito Santo. A polícia também usa um helicóptero no policiamento da região.

Os agentes de segurança suspeitam que os ataques estejam partindo de um grupo de moradores do bairro da Penha, uma das maiores favelas de Vitória. Desde a semana passada, a Polícia Militar realiza ações de patrulhamento durante todo o dia na comunidade. Em decorrência da ação, um adolescente de 17 anos foi morto nesta madrugada.

A morte foi confirmada pelo Secretária de Segurança Pública, Roberto Sá, em entrevista coletiva: "Não adianta eles (criminosos) acharem que vão nos intimidar. Se o ataque é em decorrência da ação, iremos continuar."

* Com informações da Agência Brasil e da Agência Estado

Cotidiano