PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
4 meses

Acusados pela morte de Marielle Franco e Anderson Gomes vão a júri popular

O policial militar Ronnie Lessa, um dos acusados de matar Marielle Franco - Marcelo Theobald/Agência O Globo
O policial militar Ronnie Lessa, um dos acusados de matar Marielle Franco Imagem: Marcelo Theobald/Agência O Globo

Igor Mello

Do UOL, no Rio

10/03/2020 16h20

A Justiça do Rio decidiu que o policial reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz, apontados pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio) como os executores dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, vão a júri popular. A decisão do juiz Gustavo Gomes Kalil ocorre quatro dias antes de o crime completar dois anos. Até hoje as investigações não chegaram aos mandantes do crime.

Ronnie e Élcio são réus por duplo homicídio. Em relação a Marielle, o crime é triplamente qualificado (por motivo torpe, uso de emboscada e de recurso que dificultou a defesa da vereadora), enquanto a morte de Anderson foi tipificada como um homicídio duplamente qualificado (uso de emboscada e recurso que dificultou a defesa). Os réus ainda responderão pela tentativa de homicídio contra Fernanda Gonçalves Chaves, assessora de Marielle que também estava no carro e sobreviveu ao ataque.

Segundo a decisão, Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz devem permanecer em prisão preventiva, já que as circunstâncias que levaram à medida continuam inalteradas. A permanência de ambos em um presídio federal será alvo de uma nova decisão no mesmo processo.

O advogado Henrique Telles, responsável pela defesa de Élcio de Queiroz, afirma que irá recorrer da sentença. "Acabei de receber a sentença, que foi publicada hoje. Eu e meus assistentes estamos examinando para ver quais medidas vamos tomar. Mas certamente iremos recorrer dessa decisão", disse.

O UOL entrou em contato com a defesa de Ronnie Lessa e aguarda um posicionamento sobre a decisão da Justiça.

Denúncia anônima levou a acusados

Marielle e Anderson foram mortos na noite do dia 14 de março de 2018, no Estácio, região central do Rio. O motorista levava a vereadora para casa depois que ela saiu de um evento na Casa das Pretas, na Lapa, também na região central.

A Polícia Civil e o MP-RJ só chegaram aos nomes de Ronnie e Élcio oito meses após o início das investigações, por meio de uma denúncia anônima. Os investigadores reuniram diversas informações sobre buscas e navegação na internet de ambos os réus.

Entre os temas pesquisados por Lessa, estavam detalhes da rotina de Marielle —como endereços próximos à casa da vereadora e ao consultório onde fazia sessões de psicanálise. O PM reformado também procurou acessórios para a metralhadora HKMP5, como um silenciador.

A reprodução simulada da cena do crime já havia constatado que esse modelo de arma, equipada com o acessório, foi usada no crime. A arma e o carro utilizados no crime, um Cobalt, nunca foram encontrados.

Os dois réus foram presos no dia 12 de março de 2019, dois dias antes de o crime completar um ano. Dias após a prisão, os dois foram transferidos para um presídio federal.

Em outubro de 2019, Eliane Pereira Figueiredo Lessa, mulher de Ronnie, e Bruno Figueiredo, cunhado do policial reformado, foram presos juntamente com outras duas pessoas ligadas ao policial — Márcio Montavano, o "Márcio Gordo", e Josinaldo Freitas, o "Djaka". De acordo com a Polícia Civil, eles agiram para obstruir as investigações.

O grupo teria ido a um apartamento de propriedade de Ronnie Lessa dois dias depois de sua prisão, horas antes de uma busca da Polícia Civil no local. De lá, saíram com caixas e objetos —entre eles, possivelmente a arma usada para matar Marielle.

O grupo contratou um barqueiro no Quebra-Mar. Os objetos foram arremessados no mar da Barra da Tijuca, na proximidade das ilhas Tijucas. As defesas dos quatro negam as acusações.

Ronnie Lessa admite pesquisa por Freixo, mas nega crime

UOL Notícias

Cotidiano