PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
3 meses
Presos usam lençóis para escalar muro e fogem de penitenciária no Piauí

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

17/03/2020 14h22

Dois presos, de um grupo de nove detentos, conseguiram fugir usando uma teresa (corda feita de lençóis) da Penitenciária Professor José Ribamar Leite, localizada em Teresina, na noite de ontem, após tentarem fuga pela segunda vez em menos de 24 horas. Os outros sete presos foram interceptados e recapturados pelos policiais penais e policiais militares nas imediações da unidade prisional.

De acordo com o Sinpoljuspi (Sindicato dos Policiais Penais do Piauí), o grupo havia tentado fugir por um túnel aberto da cela 12 do pavilhão F, na madrugada do sábado para o domingo (15), quando foi flagrado por policiais penais e tiveram a primeira tentativa frustrada.

Depois, transferidos de cela, eles conseguiram quebrar os cadeados de duas grades - o da cela e o da contenção - e tiveram acesso à área restrita da penitenciária. Em seguida, dois detentos conseguiram escalar o muro da penitenciária com ajuda de uma teresa. Os outros sete presos foram capturados e estão no isolamento.

Os fugitivos foram identificados pela Sejus-PI (Secretaria de Justiça do Piauí) pelos nomes de Ridelson William da Silva e André Luiz Soares da Silva. Eles estavam presos pelos crimes de homicídio, tráfico de drogas e assalto à mão armada. Até a tarde de hoje, eles não haviam sido recapturados.

A Gerência da Penitenciária Professor José Ribamar Leite e a Sejus-PI informaram que equipes "estão em diligência para a recaptura dos indivíduos".

"Esses presos vieram do presídio de São Raimundo Nonato, pois lá já tinham tentado fugir também. Tinham 12 presos na cela dos que empreenderam fuga. Eles aproveitaram o barulho da chuva e precariedade da estrutura, pois o pavilhão está em reforma, e com barra de ferro da própria reforma conseguiram arrebentar os dois cadeados. Fizeram a teresa e escalaram o paredão", relata o presidente do Sinpoljuspi, Kleiton Holanda.

Atualmente, a penitenciária José Ribamar Leite custodia 900 presos e está superlotada, pois o prédio tem capacidade para 336 vagas masculinas. Segundo dados do Sinpoljuspi, são 11 policiais penais e dois policiais militares que fazem a segurança da unidade prisional por plantão.

"Somos 840 policiais penais em todo estado distribuídos em 17 unidades prisionais em funcionamento, que somadas juntas dão 2.900 vagas, mas custodiam 5.500 detentos. Nesses três anos, 52 policiais penais se aposentaram e há previsão de mais 181 para este ano por completar o tempo de serviço. Atualmente, 75 pessoas estão no curso de formação da Polícia Penal e não supre o déficit", destaca o presidente do Sinpoljuspi.

De acordo com a resolução de número 9/2011, do CNPCP (Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária) a recomendação é que seja um policial penal para cada cinco presos. "Temos uma defasagem de 2.400 policiais penais no Piauí, onde unidades chegam a ter 100 presos para um policial penal", destaca Holanda.

O sindicato afirma que a penitenciária José Ribamar Leite está com a iluminação precária, a cerca elétrica não funciona e "a superlotação aliada ao baixo efetivo contribui com as fugas", afirma o presidente do Sipoljuspi (Sindicato dos Policiais Penais do Piauí), Kleiton Holanda. "Nosso trabalho é feito com alto nível de tensão alto pelas dificuldades enfrentadas pelos policiais penais."

Cotidiano