PUBLICIDADE
Topo

Após aglomeração, prefeito de BH quer restringir acesso à Lagoa da Pampulha

04.abr.2020 - Movimentação na Orla da Lagoa da Pampulha, ao lado da Igreja São Francisco de Assis, em Belo Horizonte (MG), apesar das restrições pelo novo coronavírus - Alex de Jesus/O Tempo/Estadão Conteúdo
04.abr.2020 - Movimentação na Orla da Lagoa da Pampulha, ao lado da Igreja São Francisco de Assis, em Belo Horizonte (MG), apesar das restrições pelo novo coronavírus Imagem: Alex de Jesus/O Tempo/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

06/04/2020 16h03

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), declarou na tarde de hoje que restringirá o acesso à orla da Lagoa da Pampulha por tempo indeterminado. A circulação de pessoas também ficará restrita na Praça da Assembleia. As medidas foram anunciadas como forma de evitar aglomerações durante a pandemia de coronavírus.

Na tarde de ontem, diversas pessoas saíram às ruas, apesar da orientação de que o isolamento social seja cumprido. A região no entorno da Lagoa estava cheia, com famílias passeando e pessoas se exercitando, muitas sem máscaras e sem respeitar distância mínima de um metro e meio entre elas.

As medidas de restrição, segundo o prefeito, devem durar enquanto a Secretaria Municipal de Saúde mantiver a quarentena.

"Nós colocamos o plano em prazo indeterminado, para não ficar nessa bobagem de: 'decreta para lá, decreta para cá'. Eles (da área da saúde) é que estão no comando, eles é que decretarão o fim da pandemia", declarou.

Kalil anunciou que contará com o apoio da BHTrans para reduzir a circulação de pessoas na região da Paumpulha; apenas carros terão autorização para circular no entorno da orla. Já a Praça da Assembleia será cercada por gradis, como já ocorre nas praças JK e da Liberdade.

"Na Pampulha, vamos fazer um plano com a BHTrans. Vai entrar só carro, porque o pessoal não entendeu que não estamos de férias e que é um ótimo dia para ficar em casa. Vamos estudar. Ainda não sei como vai ser, mas vai ser. Onde houver aglomerações, vamos tentar evitar", disse.

Coronavírus