PUBLICIDADE
Topo

SC: Homem de 32 anos que morreu por coronavírus era saudável, diz irmã

O representante comercial Aislan Corrêa foi infectado pelo coronavírus - Arquivo Pessoal
O representante comercial Aislan Corrêa foi infectado pelo coronavírus Imagem: Arquivo Pessoal

Rafael Krieger

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

07/04/2020 14h08

Das 12 mortes por covid-19 já confirmadas em Santa Catarina, duas chamam atenção pela idade das vítimas. No sábado (4), o representante comercial Aislan Corrêa, de São Ludgero, morreu aos 32 anos, após ficar internado por 17 dias. Na manhã de hoje, o músico Deison Freitas, de 34 anos, foi a primeira vítima da doença na cidade de Tubarão.

Em ambos os casos, as vítimas não tinham histórico de doenças respiratórias ou comorbidades. Aislan praticava atividades físicas, não bebia e nem fumava. Seu trabalho envolvia viajar pelo estado, mas ele estava de férias quando percebeu os primeiros sintomas, no dia 12 de março. Após uma semana, foi internado; três dias depois, já estava na UTI e com teste positivo para covid-19.

A partir de então, sua família ficou em isolamento, embora sem apresentar sintomas. Ele era casado, tinha um filho de dois anos e estava em constante contato com os pais e a irmã, Daiane. Todos ficaram confinados por 15 dias, sob acompanhamento da vigilância epidemiológica de São Ludgero.

A última vez que Aislan viu os pais foi no dia 18, antes de ser internado. Após sofrer uma parada cardiorrespiratória, ele morreu na UTI do Hospital São Donato, em Içara. "O hospital já havia nos informado que o caixão estaria lacrado. Ninguém da família poderia ter contato com ele. Foi direto para o crematório e nem no crematório meus pais foram", conta Daiane.

Falsos boatos

Além do sofrimento de não poder se despedir de Aislan, a família ainda teve que lidar com informações falsas sobre a causa da morte dele. As mensagens insinuavam que a covid-19, por si só, não seria capaz de matar uma pessoa tão jovem. "Quando saiu resultado do exame, começaram os boatos de que ele teria asma ou bronquite. Nunca teve problema algum de saúde, muito menos esses", lamenta a irmã.

"Teve também um áudio circulando pelo WhatsApp dizendo que ele havia sofrido um infarto e que havia batido carro. Ele nunca teve problemas de coração, nunca bateu o carro, nada disso é verdade. Ele sempre foi muito saudável", reforça Daiane.

Depois disso, ela chegou a receber outro áudio, uma retratação do anterior, dizendo que a mensagem se referia a uma outra pessoa, de outra cidade. "Só acho que, antes de falar algo para alguém, vá entender do que se trata. Antes de espalhar mentiras", desabafa.

Outro boato afirmava que Aislan teria participado de uma festa no município vizinho de Braço do Norte antes de ser internado. A irmã nega: "Ele não esteve naquela festa. Ele viajava muito, mas nos últimos 15 dias não esteve viajando. Sendo assim, acreditamos que a contaminação ocorreu no próprio município".

Coronavírus em SC

Em boletim divulgado ontem, o governo de Santa Catarina informou que havia 417 casos confirmados de coronavírus no estado, a maioria entre 30 e 39 anos, que somava 90 pacientes, ou 21,6% do total. O município mais atingido pela covid-19 é Florianópolis, com 99 diagnósticos positivos, seguido de Blumenau (52) e Criciúma (27).

A partir de ontem, foram liberadas no estado as atividades profissionais de autônomos, clínicas e consultórios de saúde, desde que atendendo a normas de segurança. Também foi divulgado um plano de atividades à distância para os alunos das escolas estaduais. A recomendação do governo para o resto da população catarinense, no entanto, segue a mesma: ficar em casa e só sair em caso de extrema necessidade.

Coronavírus