PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: Fantasiado de Ghostface, homem orienta idosos a irem para casa

Marcelo Casagrande

Colaboração para o UOL, em Araçatuba

07/04/2020 22h01

Em tempos de reforço do isolamento social, uma cena inusitada chamou a atenção de moradores de Mirandópolis (a 623 km de São Paulo), hoje. Uma pessoa fantasiada de Ghostface (personagem da franquia Pânico) saiu pelas ruas orientando idosos a voltarem para casa para evitar o avanço da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, na cidade.

A cada idoso que era encontrado andando na calçada ou sentado em bancos, um novo pedido desconfortante - e engraçado - era feito. Por meio de gestos, ele indicava que se a pessoa não fosse para casa, iria para o céu.

Diferentemente do personagem dos filmes que usa uma faca nas mãos, o Ghostface da vida real optou por uma foice feita com papelão, plástico e papel alumínio.

A iniciativa é do Ricardo Santos da Silva, 41, um monitor escolar que, por causa da quarentena, não tem dado expediente. "Assisti a um vídeo na internet de uma iniciativa parecida feita no estacionamento de um supermercado. Aí pensei que poderia ser uma boa para conscientizar os moradores da minha cidade", comenta Ricardo em entrevista ao UOL.

Antes mesmo de colocar a ideia em prática, Ricardo recorreu a amigos próximos para preparar a fantasia. Como mora sozinho, pediu um vestido preto e uma capa emprestados para amigos. Usou uma bota e finalizou com o toque principal: a máscara. "Não dei detalhes da brincadeira nem para as pessoas que me ajudaram a fazer a fantasia. Só falei que faria, não disse quando nem onde", revela.

O estalo para colocar o plano em prática veio ontem à tarde quando encontrou a Dona Izadir, a mãe dele, que tem 70 anos, andando pela rua da cidade. "Ela é grupo de risco e tinha que estar em casa. Quando a encontrei, ela disse que só saiu do sítio onde mora para receber o pagamento", diz.

Ricardo conta que começou a caminhar em locais com grande movimento de pessoas. Abordou dezenas de moradores que reagiram bem a iniciativa. "Como estamos num país democrático, teve gente que achou que eu não deveria ter feito a brincadeira. Mas, a maioria das pessoas entendeu bem o recado", avalia Ricardo.

Olhar atento

Os vídeos que viralizaram nas redes sociais e em grupos de WhatsApp foram feitos por Luan Martins, 29, que se deparou com a cena no centro da cidade e sacou o celular para registrar o momento. "Achei diferente, engraçado. No meio dessa pandemia, uma maneira engraçada de chamar a atenção e conscientizar as pessoas", conta.

Incertezas de quarentena

A ação de conscientização inusitada foi feita em meio a uma polêmica na cidade. No mesmo dia em que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou a ampliação da quarentena no estado de São Paulo até o dia 22/04, o prefeito da cidade, Everton Sodario (PSL), publicou um decreto determinando a reabertura do comércio local.

"Até aqui, garantimos de todas as formas de que o munícipio fosse resguardado do coronavirus. Apoiamos, até hoje, o isolamento. Defendemos que a partir de agora, os grupos de risco permaneçam isolados socialmente, porém é preciso destacar que o município não pode parar", disse Sodario.

Discurso contrário ao adotado por Doria durante o anúncio feito ontem no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista: "Prefeitas e prefeitos vocês terão o dever, a obrigação de seguirem nas suas cidades a orientação do governo do estado. Isso é constitucional, não é uma deliberação que pode ou não ser seguida".

Na tarde de hoje, o prefeito de Mirandópolis voltou atrás da decisão e disse que seguirá o decreto estadual.

Não pensou na repercussão

O assunto repercutiu muito mais do que Ricardo imaginava e, depois, do susto da dimensão do caso, veio a preocupação: "Como trabalho em escola municipal, fiquei com medo de sofrer retaliação". Mas nada de ruim aconteceu com ele, pelo menos, até agora.

"Eu acredito muito em Deus e sei que a intenção no meu coração não foi prejudicar ninguém. Eu queria passar uma mensagem de cuidado e carinho para as pessoas da minha cidade", desabafa.

Com sentimento de missão cumprida, Ricardo espera que a covid-19 não avance na cidade. Até hoje, nenhum caso positivo foi registrado. São 14 pacientes em investigação e uma morte suspeita que aguarda o resultado do exame.

Coronavírus