PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

RJ tem aglomerações em bares no 1º dia de reabertura; moradora vê "absurdo"

Marcela Lemos e Stella Borges

Colaboração para o UOL, no Rio, e do UOL, em São Paulo

03/07/2020 08h19Atualizada em 03/07/2020 13h53

As ruas do Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro, ficaram lotadas na noite de ontem, dia em que bares e restaurantes foram autorizados a reabrir suas portas ao público após três meses de paralisação devido à pandemia do novo coronavírus.

Imagens que circulam nas redes sociais mostram pessoas aglomeradas, em desrespeito ao distanciamento social, e sem máscara. Segundo moradores, os estabelecimentos continuaram em funcionamento após as 23h, horário de fechamento estipulado pela prefeitura.

Em um vídeo que circula na internet, o bar Boa Praça, no Leblon, aparece com mesas e cadeiras na calçada, com clientes flagrados bem próximos uns dos outros. Todas as mesas disponibilizadas pelo bar estavam ocupadas e pareciam não respeitar a distância de dois metros estipulada pela Prefeitura.

Na gravação, um homem comemora a reabertura do bar e xinga o coronavírus, responsável pelas determinações de isolamento decretadas com objetivo de combater o avanço da doença.

"Tudo voltando ao normal, graças a Deus. Vai tomar no c* máscara e vai tomar no c*, corona", disse o cliente.

O homem está na parte externa do bar, que antes da pandemia já reunia dezenas de clientes na calçada. A diferença é que grades foram colocadas ao redor das mesas para controlar o acesso de clientes. No entanto, não havia distanciamento entre as mesas.

Procurada para comentar a desobediências das normas de funcionamento para bares e restaurantes, a Prefeitura do Rio ainda não se pronunciou. O Bar Boa Praça também foi procurado pelo UOL, mas até o momento, a reportagem não obteve retorno do estabelecimento.

Na Rua Dias Ferreira, no Leblon, tradicional reduto boêmio, clientes tomaram as calçadas e não respeitaram as normas de distanciamento determinadas pela prefeitura.

Uma moradora do bairro disse que ficou surpresa com toda a aglomeração. "Eu consigo ver da minha janela a movimentação. É um verdadeiro absurdo. Todo mundo junto como se a pandemia tivesse acabado, como se todos estivessem seguros para levar uma vida normal. Acho que fracassamos como sociedade", lamentou ao UOL a moradora, que pediu para não ter a identidade revelada.

"Leblon agora. Marcelo Crivella, essa responsabilidade, ou melhor, essa irresponsabilidade é sua", criticou o vereador Tarcísio Motta (PSOL-RJ) ao postar uma foto com um grande número de pessoas aglomeradas nas calçadas.

Segundo a Guarda Municipal, os agentes determinaram o fechamento de diversos estabelecimentos devido a aglomerações na rua, apesar de os bares e restaurantes terem respeitado protocolos de segurança sanitária em seu interior, como o distanciamento e o uso de máscaras.

Flexibilização

Começou a vigorar ontem a autorização da prefeitura do Rio de Janeiro para que bares e restaurantes voltassem a funcionar recebendo clientes — antes, eles podiam vender comida e bebida por meio de entrega ou a quem fosse buscar no estabelecimento, mas sem que o cliente pudesse consumir no local. Seguem proibidos bufês de self-service e música ao vivo.

Os estabelecimentos precisam encerrar o expediente até as 23h, só podem receber metade da capacidade de público e a distância entre as mesas precisa ser de pelo menos dois metros. O uso de máscara é obrigatório tanto para clientes como para funcionários. A máscara só pode ser retirada pelos clientes que estiverem já nas mesas, e exclusivamente nos momentos de refeição. Bares e restaurantes que desrespeitarem as regras podem ser multados.

Além da nova regra para bares e restaurantes, também entraram em vigor autorizações para a reabertura de quiosques nas praias, para a prática de exercícios na areia (usar cadeira e guarda-sol e permanecer parado na areia seguem proibidos), para a reabertura de academias de ginástica (cujos clientes precisam agendar horários) e para que salões de beleza ofereçam depilação e serviços de tintura nos cabelos (até então estavam autorizados cortes de cabelo, manicure e pedicure). Salões de tatuagem também podem reabrir.

A cidade registrou até ontem 58.615 casos confirmados da covid-19 e 6.689 óbitos, segundo dados da secretaria estadual de Saúde. Ontem, a taxa de ocupação dos leitos de UTI na rede pública era de 70%.

Alguns internautas reagiram com indignação às cenas de aglomerações em estabelecimentos comerciais ontem à noite.

Prefeitura diz que vai ampliar fiscalização

Procurada, a Prefeitura disse que vai intensificar a fiscalização nesse fim de semana juntamente com a Vigilância Sanitária.

"A Guarda Municipal percorreu diversos bairros da cidade e constatou aglomeração na Rua Dias Ferreira. Os agentes determinaram o fechamento de diversos bares.Devido ao horário de fechamento e à aglomeração e consumo na rua, todos os estabelecimentos foram orientados e fechar as portas", informou a Prefeitura através de nota.

A Guarda Municipal registrou 843 infrações sanitárias entre os dias 5 e 30 de junho. Já a Vigilância Sanitária, inspecionou mais de 5 mil estabelecimentos juntamente com demais órgãos. Cerca de 2.350 multas já foram dadas à estabelecimentos que não cumpriram as regras do governo municipal.

* Com informações de Agência Brasil, Estadão Conteúdo e Reuters

Coronavírus