PUBLICIDADE
Topo

Empresa demite mulher flagrada por TV desrespeitando fiscal em bar no Rio

Afonso Ferreira

Do UOL, em São Paulo

06/07/2020 13h48Atualizada em 06/07/2020 17h57

A empresa de transmissão de energia Taesa informou hoje, por meio de suas redes sociais, que demitiu uma funcionária que desrespeitou as regras de prevenção à covid-19 e as normas de segurança da companhia.

A empresa não citou o nome da funcionária na nota, mas, em contato com a reportagem do UOL, confirmou que trata-se da mulher flagrada em reportagem do Fantástico exibida na noite de ontem desrespeitando fiscais em um bar no Rio de Janeiro.

O caso ganhou repercussão após a mulher na reportagem dizer: "cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor do que você" para um profissional que fiscalizava o cumprimento das medidas de segurança contra a covid-19 em bares cariocas.

"A Taesa tomou conhecimento do envolvimento de uma de suas empregadas em um caso de desrespeito às leis que visam reduzir o risco de contágio pelo novo coronavírus e compartilha a indignação da sociedade em relação a este lamentável episódio, sobretudo em um momento no qual o número de casos da doença segue em alta no Brasil e no mundo", diz a nota da empresa.

NOTA DE POSICIONAMENTO OFICIAL A TAESA é uma companhia comprometida com a segurança e a saúde não apenas de seus...

Publicado por Taesa em Segunda-feira, 6 de julho de 2020

A empresa disse ainda que adotou "inúmeras iniciativas para proteger a saúde de seus profissionais e familiares", e que a funcionária foi demitida por desrespeitar a "política vigente na empresa".

"A Taesa ressalta que segue respeitando o isolamento [social] e as mais rigorosas regras de prevenção ao coronavírus e que a empregada em questão desrespeitou a política vigente na empresa. Diante dos fatos expostos, a Taesa decidiu por sua imediata demissão", afirma a nota.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que constava nesta nota, a Taesa é uma empresa de transmissão de energia, e não de distribuição. A informação foi corrigida.

Coronavírus