PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
15 dias
PF faz operação em cinco estados contra fraudes em previdências municipais

Operação Fundo Fake teve origem na investigação do Rolim Previ, instituição previdenciária de Rolim de Moura (RO) - Divulgação/Polícia Federal
Operação Fundo Fake teve origem na investigação do Rolim Previ, instituição previdenciária de Rolim de Moura (RO) Imagem: Divulgação/Polícia Federal

Do UOL, em São Paulo

15/07/2020 11h40Atualizada em 15/07/2020 15h27

A PF (Polícia Federal) deflagrou hoje uma operação que teve origem na investigação de um fundo previdenciário na cidade de Rolim de Moura (RO), mas que aponta a movimentação de cerca de R$ 500 milhões em aportes com indícios de ilegalidades espalhados por previdências de outros municípios do país. A ação motivou mandados de busca e apreensão em cinco estados.

Segundo a PF, cerca de 200 agentes da corporação foram às ruas para cumprir 71 mandados de busca e apreensão expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal em Porto Velho. Os policiais cumpriram os mandados nos estados de Rondônia, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Minas Gerais.

A operação foi chamada de Fundo Fake em alusão a como funcionava o esquema. A investigação, iniciada pela PF em Vilhena (RO), constatou a existência de uma organização criminosa que tinha como objetivo lesar os cofres dos RPPS (Regimes Próprios de Previdência Social) municipais.

A estratégia se baseava na criação de fundos de investimentos falsos, com o objetivo de aportar valores entre si, em efeito cascata. Segundo a investigação, esses fundos eram indicados para o Rolim Previ, instituto de previdência da cidade de Rolim de Moura, por uma consultoria financeira que participava do esquema. A função da consultora seria indicar as melhores aplicações financeiras no mercado.

A operação gerava lucro ilegal para gestores do Rolim Previ e para a consultoria justamente na indicação dos fundos fraudulentos. Em uma prática conhecida como "rebate", boa parte dos valores investidos era repassada rapidamente aos beneficiados do esquema. Segundo a PF, esse percentual passava de 20% dos investimentos feitos nos fundos.

A investigação aponta um prejuízo de R$ 17,4 milhões aos cofres do Rolim Previ. No entanto, mais 65 municípios podem ter sido lesados, já que esse foi o número de previdências de outras cidades que também investiram em um dos em fundos administrados por uma das instituições investigadas. O valor investido por RPPSs nesses fundos fraudulentos chega a R$ 500 milhões.

A PF conseguiu o afastamento de um dos gestores do Rolim Previ, que já era investigado anteriormente por gestão fraudulenta. Os investigados responderão por crimes contra o sistema financeiro nacional, corrupção ativa e passiva, e organização criminosa, além da lavagem de dinheiro.

Como consequência da investigação, também foram suspensos 18 CPFs e CNPJs na CVM (Comissão de Valores Imobiliários), o que impede a atuação dessas pessoas e empresas no mercado financeiro brasileiro.

Cotidiano