PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Esse conteúdo é antigo

Guarda desprezado por desembargador diz que sua filha chorou com vídeo

Do UOL, em São Paulo

19/07/2020 18h49

O GCM (Guarda Civil Municipal) que foi flagrado hoje sendo humilhado por um desembargador em Santos disse que sua filha de 15 anos chorou com o vídeo.

Em entrevista para o site A Tribuna, Cicero Hilário Roza Neto, de 36 anos, conta que se sentiu "humilhado" diante dos filhos e que não sabe como explicar para eles o que aconteceu.

"Eu me senti humilhado diante dos meus filhos de 10, 15 e 17 anos. Como eu explico o que aconteceu para eles? Sempre tiveram muito orgulho do meu trabalho. A menina de 15 anos chorou. É muito difícil para mim saber que eles viram esse vídeo", desabafa.

O GCM ainda contou para o site de Santos o que aconteceu exatamente no caso e por que decidiu parar o desembargador.

"Eu acenei para ele, que gesticulou fazendo pouco caso. Avisei meu parceiro sobre o que vi, entramos na viatura e fomos até lá. Quando meu amigo viu quem era, me alertou dizendo que já tinha um vídeo com esse homem causando polêmica em outra ocasião, quando meu chefe deu uma multa durante autuação por também estar sem máscara", contou.

Hilário, que conseguiu manter a calma durante a ação, disse que sempre trabalhou desta forma e que não teve "um pico de nervoso", porque "não chegaria no mesmo nível que ele". Ele ainda completou que não se sentiu intimidado com o desembargador porque sempre vai "cumprir o meu papel e pronto".

Entenda o caso

Um homem que se apresentou como "desembargador Eduardo Siqueira" foi flagrado confrontando a GCM de Santos, no litoral paulista. O fato aconteceu durante uma abordagem pelo fato de ele, que estava na praia, se recusar a usar máscara. A reportagem do UOL consultou o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que confirmou o jurista em seus quadros.

O uso do equipamento de proteção contra o coronavírus é obrigatório na cidade por meio do decreto nº 8.944, de 23 de abril de 2020, assinado pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB). Descumprir a medida gera multa de R$ 100.

Nas imagens, que circulam em redes sociais, o homem é abordado por um homem da GCM, que pede "por favor" para ele usar máscara. Eduardo é informado sobre o decreto, mas diz que o ato "não é lei" e se recusa.

O guarda, então, desce do carro para aplicar a multa. Eduardo afirmou que já havia recebido uma infração: "Amassei e joguei na cara dele. Você quer que eu jogue na sua também?", questiona.

TJ-SP se manifesta

O TJ-SP, por meio de nota, informou que vai apurar a conduta do desembargador. "O Tribunal de Justiça de São Paulo informa que, ao tomar conhecimento, determinou imediata instauração de procedimento de apuração dos fatos; requisitou a gravação original e ouvirá, com a máxima brevidade, os guardas civis e o magistrado."

O caso vem repercutindo desde a manhã de hoje, e o termo "desembargador" já é um dos mais comentados do Twitter no Brasil.

Multa não é inédita para o desembargador

A Prefeitura de Santos se manifestou sobre o ocorrido por meio de uma nota de repúdio e afirmou que não é a primeira vez que o desembargador é multado pela rejeição ao uso de máscara.

"Trata-se de um caso de reincidência: o mesmo cidadão já foi multado em outra data por cometer a mesma infração. O secretário de Segurança de Santos, Sérgio Del Bel, deu total apoio à equipe que fez a abordagem e a multa foi lavrada na tarde deste sábado (18). O cidadão também foi multado por jogar lixo no chão", informou a prefeitura.

"A Prefeitura de Santos é veementemente contra qualquer ato de abuso de poder e, por meio do comando da GMC, dá total respaldo ao efetivo que atua na proteção do bem público e dos cidadãos de Santos", completou o órgão municipal.

Cotidiano