PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Jovem é encontrada morta em lagoa em SP; mãe acredita em assassinato

Julia Carolina Garzon  - Arquivo pessoal
Julia Carolina Garzon Imagem: Arquivo pessoal

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas

07/08/2020 16h23

A Polícia Civil de Piracicaba (SP) investiga se uma jovem de 24 anos foi morta antes de ser jogada em uma lagoa da cidade. O corpo de Julia Carolina Garzon foi encontrado boiando em uma lagoa na quarta-feira (5), depois de ficar três dias desaparecida. A família de Julia acredita que ela foi assassinada.

A torneira mecânica dividia uma residência com outras duas pessoas - um homem e uma mulher - em Piracicaba, mesma cidade onde o pai dela mora. A mãe, Leila Alencar, que vive em Araraquara (SP), disse ao UOL que Julia quis dividir uma casa após arrumar um emprego recentemente em uma indústria, assim que concluiu dois cursos na área.

"No domingo, os dois amigos dela disseram que ela saiu de casa e não voltou mais. Tentei falar com ela pelo telefone, mas também não tive resposta", afirmou.

O corpo de Julia foi encontrado na manhã de quarta-feira na lagoa do bairro Santa Rita. Ela estava dentro d'água, com as roupas do corpo, e uma pochete. "Isso nos causou estranheza. Conversamos com alguns moradores da região, e eles disseram que aquele local não é utilizado como área de lazer ou coisa do tipo. E o fato de ela estar de roupas também faz a gente acreditar que ela foi jogada lá", diz a mãe.

O UOL apurou com a perícia que a jovem estava com o olho direito roxo, porém não foi possível determinar, no primeiro momento, há quanto tempo ela estava na lagoa. A água fria pode ter ajudado a "preservar" o corpo, e apenas o exame necroscópico vai trazer as respostas necessárias.

Emerson Gardenal, delegado que registrou o caso, informou que já ouviu algumas pessoas ligadas à jovem - entre elas, a mãe - e que aguarda o resultado da perícia para seguir com a investigação, que ficará sob comando da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Piracicaba. Todas as hipóteses ainda são avaliadas, e nenhuma linha de investigação foi definida.

"Eu peço para que quem a tenha visto no domingo entre em contato com a polícia. Não acredito que ela tenha simplesmente se afogado sozinha. Quero Justiça", finaliza a mãe.

Cotidiano