PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
Enfermeira relata desespero em incêndio no Rio: 'Perdemos o controle'

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio

27/10/2020 19h46Atualizada em 27/10/2020 22h08

Funcionários do Hospital Federal de Bonsucesso, na zona norte do Rio, relataram momentos de tensão e desespero em meio à fumaça que tomou conta de um dos prédios da unidade no incêndio que terminou com a morte de três pessoas nesta terça-feira.

Uma das enfermeiras, que pediu para não ser identificada, disse que, por um momento, a confusão no local foi grande e os funcionários chegaram a perder o controle da situação.

"Foi muito desesperador, mas a gente ali precisava manter a calma pelos pacientes. Teve uma hora que perdemos o controle, porque eram muitos pacientes internados. Precisamos colocar um papel na camisola deles para poder saber quem era quem", disse.

De acordo com os funcionários ouvidos pela reportagem, primeiro se preocupou em retirar os pacientes mais graves do local.

"Existem muitos pacientes críticos que estão sendo atendidos no estacionamento do hospital. Não tem lugar para ligar os monitores. Tem pacientes que não sabemos aonde estão. Estão perdidos e estamos procurando, porque saímos todos juntos. Não tivemos recursos", disse a técnica de enfermagem, Tassiana Freitas, 30.

Aglomeração de parentes no entorno

No entorno do hospital, foi grande a movimentação de familiares em busca de informações sobre parentes internados.

Funcionária do hospital, Roberta Gomes recebeu soube do incêndio em um grupo de WhatsApp. Na mesma hora, disse que foi até a unidade, onde a sobrinha, grávida de cinco meses, realizava um exame.

"Minha sobrinha ficou abrigada na capela e não conseguia notícias. Ela estava muito nervosa, ainda mais por causa do bebê, mas agora ela está bem e nada de pior aconteceu", disse Roberta.

Com o pai internado há um mês no hospital, o autônomo Sandro Salustiano, 46, que estava no local e conta ter se assustado com o corre-corre.

Eu estava em uma sala e vi uma fumaça no prédio aí lado. Achei que não era nada, mas começou uma correria. Eram muitas pessoas acamadas. Graças a Deus, não aconteceu o pior, muitas pessoas ajudaram. Mas foi um desespero muito grande
Sandro Salustiano, cujo pai está internado no hospital

O autônomo Sandro Salustiano ao lado do pai, paciente internado no Hospital Federal de Bonsucesso - Tatiana Campbell/UOL - Tatiana Campbell/UOL
O autônomo Sandro Salustiano ao lado do pai, paciente internado no Hospital Federal de Bonsucesso
Imagem: Tatiana Campbell/UOL

Fuga às pressas com bebê de 6 dias

A estudante Adriane de Oliveira, 17, estava internada após dar à luz o primeiro filho. Ela precisou ser retirada às pressas com o filho no colo.

"Eu fiquei com muito medo de algo acontecer com meu filho. Ele só tem seis dias de vida. Os bombeiros apareceram de repente, pedindo para que saíssemos e foi aí que vi a fumaça. Fiquei muito nervosa, mas agora já estamos indo para casa", disse.

A direção do Hospital Federal de Bonsucesso divulgou um número para que as pessoas possam ter informações sobre os pacientes que foram transferidos do local para outras unidades de saúde. Os familiares devem ligar para: (21) 3977-9500 e deixar o contato para um posterior retorno do hospital.

A direção do hospital informou que sua brigada de incêndio removeu 162 pacientes do prédio 1 para o prédio 2 até a chegada do Corpo de Bombeiros. Posteriormente, 76 pacientes foram transferidos para outras unidades de saúde, sendo que oito deles estão com covid-19 —quatro foram para o Hospital de Acari e os demais para o CER (Coordenação de Emergência Regional) do Leblon.

As causas do incêndio, ainda desconhecidas. O fogo começou no subsolo do prédio 1, onde há um estoque de fraldas.

Em viagem a Brasília, o governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), lamentou o incêndio e disse acompanhar a situação "com atenção".

Cotidiano