PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

Câmera de segurança flagra assassinato de jornalista no Mato Grosso

Felipe Munhoz

Colaboração para o UOL, em Lençóis (BA)

17/11/2020 14h23

Um jornalista de 44 anos foi morto a tiros na noite de domingo (15) em Peixoto de Azevedo (MT), a 674 km ao norte de Cuiabá. Pouco antes de ser assassinado, a vítima fez uma postagem de cunho político em suas redes sociais, celebrando a vitória de Maurício Ferreira de Souza (PSD), candidato a reeleição para prefeito da cidade. Uma câmera de segurança flagrou o momento do crime.

No vídeo, que circula nas redes sociais, Ediney Menezes aparece dirigindo um carro preto e para na esquina da rua Getúlio Vargas com a avenida Itamar Dias, no centro da cidade. Logo em seguida, um homem desce do veículo e some da imagem. O carro em que está o jornalista segue parado por mais de um minuto.

Nas imagens, é possível ver que o local tem bastante movimento de veículos. No fim do vídeo, uma motocicleta com dois homens vem na direção do carro do jornalista, pela contramão, e para ao lado do motorista. Então, o garupa saca a arma e efetua os disparos.

De acordo com a Polícia Civil, a ocorrência foi registrada por volta das 22h30. "A vítima foi encontrada já sem vida, sentada no banco do motorista, de um veículo HB20, aparentemente atingida com três disparos de fogo, na região da cabeça", disse a polícia ao UOL em nota.

Ainda segundo a polícia, as investigações estão em andamento para identificar e prender o autor do homicídio. O inquérito policial para apurar o caso foi instaurado, e algumas diligências como oitiva de testemunhas e coleta de imagens de câmeras de segurança foram realizadas hoje pela manhã.

Segundo o delegado Edmundo Félix de Barros Filho, os trabalhos estão na fase inicial e, apenas após a oitiva das testemunhas e coleta de outras informações é que será possível traçar a linha de investigação, assim como definir a motivação do crime.

A reportagem procurou a Polícia Militar de Mato Grosso para dar detalhes do ocorrido, mas a corporação se limitou a dizer que informações sobre a ocorrência deveriam ser buscadas junto à Polícia Civil, assim como detalhes das investigações.

Cotidiano