PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
11 meses

Alemão condenado por roubo milionário na Europa é preso por tráfico no Rio

Alemão é preso por tráfico de drogas no Rio - Reprodução de vídeo
Alemão é preso por tráfico de drogas no Rio Imagem: Reprodução de vídeo

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

20/11/2020 12h53

Um homem foi preso em flagrante por policiais da 13ª DP (Ipanema) acusado de tráfico de drogas. O alemão Andreas Michael Leyendecker, de 60 anos, é apontado como o chefe de uma quadrilha que atua na Zona Sul do Rio de Janeiro e vende principalmente ecstasy. O suspeito já foi condenado por participar de dois roubos a carros fortes na Alemanha.

Ao UOL, o delegado responsável pelo caso, Felipe Santoro, explicou que o lucro mensal do traficante é estimado em R$ 500 mil com a venda ilegal dos entorpecentes.

O flagrante foi feito no entorno da Rua Teixeira de Melo com Visconde de Pirajá, em Ipanema, após os agentes receberem uma denúncia de que 3 homens estariam efetuando a transação da droga na localidade. Com ele, os agentes apreenderam R$ 2.200 e dois aparelhos telefônicos utilizados para o comércio das drogas. Segundo as investigações, ele é apontado como um dos maiores revendedores de ecstasy nos bairros de Copacabana e Ipanema.

"A associação criminosa já vinha sendo investigada pela Unidade Policial. Agora a 13ª DP está apurando a participação de outros estrangeiros no tráfico de drogas, bem como a origem da droga. Essa associação distribuía drogas na Zona Sul e mantinha diversas ramificações em outros bairros. O grupo é especializado na venda de drogas sintéticas. Podemos considerar a prisão dele importante uma vez que ele era quem, segundo consta, abastecia outros traficantes que atuavam com pequenas quantidades para vendas em festas eletrônicas", disse Santoro.

O alemão vai responder pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Somadas, as penas podem chegar a 25 anos de prisão.

Crimes fora do Brasil

Andreas Leyendecker já vinha sendo investigado pelas autoridades. O traficante é acusado de participar de dois roubos a carros fortes na Alemanha. O primeiro aconteceu em 1990, na ocasião, o veículo transportava 1 milhão de marcos. Depois de cometer o crime, o traficante fugiu para o Brasil. Porém, em julho de 1992, foi preso no Rio de Janeiro e extraditado, em abril de 1993, para Alemanha, onde foi julgado e condenado pelo crime a 5 anos e 3 meses de prisão. Quinze meses depois ele fugiu.

Em 2010, o Supremo Tribunal Federal decretou a prisão preventiva do alemão para extradição ao país europeu. Ele era procurado pela Interpol. Os agentes receberam informações de que ele poderia estar vivendo na Bolívia. A Polícia Federal passou, então, a monitorar as fronteiras até que Andreas tentou entrar no Brasil e foi preso no posto de imigração de Corumbá, no Mato Grosso do Sul. O criminoso confessou aos agentes ter roubado em 2005 outro carro forte na Alemanha carregado com 300 mil euros (R$ 2 milhões, em valores de hoje). Depois do segundo roubo, Andreas disse ter usado o Brasil novamente como refúgio.

Após um ano, em 2011, o alemão pediu para que fosse revogada o pedido de prisão por ter 2 filhas brasileiras e uma companheira no país. A Embaixada da República Federal da Alemanha declarou ter desistido de sua extradição. Assim, o então ministro Dias Toffoli decretou o alvará de soltura.

Cotidiano