PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

Doentes aguardam transferência ao lado de corpo em hospital no Amazonas

Alexandre Santos

Colaboração para o UOL, em Salvador

19/12/2020 18h52

Um vídeo gravado no Hospital e Pronto-Socorro Doutor João Lúcio Pereira Machado, em Manaus (AM), mostra três pessoas, entre elas dois idosos, ao lado de um corpo na ala de isolamento para pacientes com covid-19. O cadáver aparece envolto em um saco plástico e foi colocado sobre uma maca. Numa etiqueta de papel é informado que a vítima, um homem de 78 anos, deu entrada no hospital às 22h43 da última quarta-feira (16).

As cenas foram filmadas pela filha de um dos pacientes que está internado na unidade. "Olha o absurdo onde colocaram meu pai aqui no João Lúcio e há ainda um morto aqui. Desde a madrugada, um morto aqui", relata a mulher, que divulgou o vídeo para denunciar o que chamou de "descaso".

Ao UOL, a Secretaria de Estado de Saúde classificou o episódio como uma "situação pontual" e afirmou que vai apurar as responsabilidades pelo ocorrido.

O caso acontece no mesmo momento em que o governo amazonense anuncia a reabertura de novos leitos clínicos e de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Atualmente, o Amazonas soma 5.049 mortes por coronavírus e 189.812 casos da doença.

Diante da nova tendência de avanço da pandemia, o número de internações voltou a crescer e a pressionar o sistema de saúde, onde há atualmente 500 pessoas hospitalizadas.

No Hospital Delphina Aziz, referência no tratamento de pacientes com covid-19, a taxa de ocupação dos leitos de UTI atingiu ontem 93%.

Um dos estados que concentraram os piores números de mortes e casos do novo coronavírus, o Amazonas também foi um dos primeiros a terem a rede pública colapsada na primeira onda da crise sanitária.

Entre abril e maio, por exemplo, a capital amazonense concentrou a mais alta taxa de incidência da doença no país. Naquele momento, a cidade era a única no estado a contar com leitos de UTI.

À época, tornaram-se recorrentes imagens de corredores e salas com corpos à espera de remoção ao lado de pacientes e macas no chão.

"Situação pontual"

Em nota enviada ao UOL, a Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas informou que a direção do Hospital e Pronto-Socorro Doutor João Lúcio Pereira Machado esclareceu que o caso em que os idosos aparecem ao lado de um corpo foi uma "situação pontual".

Segundo o comunicado, os três pacientes aguardavam remoção para a unidade de referência em atendimento à covid-19 em uma sala separada dos demais usuários do hospital para evitar riscos de contaminação.

Na versão da pasta, os pacientes foram transferidos para uma outra enfermaria naquele mesmo dia.

"Um dos pacientes chegou em estado gravíssimo e foi a óbito logo após dar entrada na unidade. O corpo não pode ser levado imediatamente ao necrotério devido ao risco de contaminação biológica e ficou no isolamento o tempo suficiente para prepararem o local de forma adequada para o acondicionamento de pacientes em óbito por covid-19", justificou a secretaria.

Ainda de acordo com a nota, entre as providências adotadas, o hospital ativou uma sala rosa e está reorganizando seus fluxos de atendimento para o recebimento de pacientes com suspeita de SRAG que procurarem a unidade.

"Os profissionais e demais trabalhadores que atuam nos plantões estão recebendo treinamento e orientação de maneira que o fluxo seja plenamente e utilizado com menos riscos de contaminação na unidade."

A pasta também afirma que foi concluída hoje a abertura de novos leitos.

"Neste sábado (19/12), a SES-AM colocou em funcionamento mais dez leitos de UTI no Hospital Delphina Aziz, referência no tratamento de pacientes com Covid-19. Na noite de sexta-feira (18/12) outros dez leitos já haviam sido colocados em atividade. A unidade conta, agora, com 140 leitos e, até às 10h estava com uma taxa de ocupação de 82%", informou.

Cotidiano