PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
8 meses

Após troca de cartas, idosos separados por covid se emocionam em reencontro

Maria e João trocaram bilhetes até encontro improvisado na terça (23), quando ficaram alguns minutos juntos em hospital - Divulgação/Hospital Regional do Alto Vale
Maria e João trocaram bilhetes até encontro improvisado na terça (23), quando ficaram alguns minutos juntos em hospital Imagem: Divulgação/Hospital Regional do Alto Vale

Luan Martendal

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

25/03/2021 20h54Atualizada em 26/03/2021 07h08

Há mais de 15 dias separados por conta da covid-19, um casal de idosos de Santa Catarina comoveu pacientes, médicos e enfermeiros do Hospital Regional Alto Vale, em Rio do Sul (SC), ao trocarem mensagens escritas durante a internação.

Foi por meio de um bilhete escrito à mão com os dizeres "Te amo, estou com saudades" — e um reencontro improvisado na terça-feira (23) — que Maria dos Santos, de 62 anos, e o marido João Custódio Maciel, de 67, conseguiram expressar a falta que sentiam um pelo outro desde que foram internados em alas diferentes do hospital para se recuperar da doença.

Os dois estavam separados por conta do tratamento contra a covid-19 desde o dia 8 de março, quando Maria deu entrada na unidade de saúde e permaneceu em um leito de enfermaria. Seis dias depois, João também precisou ser internado, mas acabou ficando em um quarto diferente da mulher.

Ao descobrirem que os idosos eram um casal, funcionários do hospital chegaram a cogitar uma mudança de logística para colocar os dois no mesmo quarto, mas a possibilidade foi descartada por conta do grande número de pessoas internadas com suspeita de infecção.

Desde então, diariamente coube à equipe médica passar as novidades de um para o outro.

De acordo com Karina Menegaz, enfermeira responsável pela ala clínica de pacientes com covid-19, em uma das ocasiões Maria comentou com a enfermeira Analu Lima que estava com muitas saudades de João.

Por questões de segurança, Analu sugeriu que a paciente escrevesse de próprio punho o que estava sentindo, garantindo que levaria o recado até João Custódio.

"A enfermeira ofereceu caneta e papel para que ela fizesse um bilhete para entregar para o seu João e, no bilhete, ela dizia que estava com saudade e o amava muito. A Analu fez a entrega do bilhete e percebeu que ele ficou muito emocionado com o gesto da esposa. Com isso, surgiu a ideia de fazer um reencontro surpresa do casal, mesmo que por alguns minutos", relatou Karina.

Com autorização da enfermeira responsável pelo setor de Controle de Infecção Hospitalar, Karina e uma escriturária do hospital fizeram uma flor improvisada com dobradura de papel e entregaram para João Custódio levar até sua amada (já que ela seguia utilizando oxigênio e não podia sair do quarto).

"Ele chorou, ficou emocionado e seguimos com ele em uma cadeira de rodas até o quarto ao som da marcha nupcial. Ao abrir a porta, a dona Maria não esperava a surpresa e ficou muito emocionada. Eles começaram a se abraçar, se declararam um para o outro e disseram que tudo ia ficar bem e que logo estarão em casa. A cena emocionou a todos", conclui a enfermeira.

Em meio a emoção de funcionários e pacientes, o casal pôde ficar junto por alguns momentos, antes que seu João voltasse para o quarto onde estava internado. Hoje, ele ganhou alta e voltou para casa no bairro Barragem, em Rio do Sul, onde aguarda a esposa, que segue internada em recuperação.

Expectativa da volta para casa

Casados há 25 anos, Maria e João são o maior exemplo de vida para os três filhos, Divaldo, Priscilla e Fabíola, que não foram infectados pela covid-19. Eles contam que o pai tinha medo de pegar a doença e, por isso, a família se cuidava muito e houve um susto quando descobriram que justo ele e a mãe, que têm comorbidades, foram contaminados. De acordo com Fabíola Custódio Maciel, de 22 anos, pai e mãe sempre foram ligados um ao outro e, já em casa, seu João ainda chora com saudades da esposa, mas entende que ela permanece internada para voltar bem para casa.

"Ele está ansioso e deixando tudo arrumadinho para quando minha mãe voltar. Nós ficamos muito emocionados pela equipe do hospital ter proporcionado esse momento de reencontro, porque com certeza fez toda a diferença no tratamento deles, e até o final de semana ela também já deve estar em casa", celebra Fabíola.

Coronavírus