PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
7 meses

PM é preso após se envolver em acidente em Curitiba; motoboy morreu

O entregador de pizza Daniel Pereira Silva - Arquivo pessoal
O entregador de pizza Daniel Pereira Silva Imagem: Arquivo pessoal

Lorena Pelanda

Colaboração para o UOL, em Curitiba

24/04/2021 12h04

Um policial militar de folga foi preso em flagrante com sinais de embriaguez após se envolver em um acidente de trânsito que terminou com a morte de um motoboy em Curitiba ontem à noite.

O entregador de pizza Daniel Pereira Silva, 27, morreu na hora após ser atingido pelo carro dirigido pelo PM. Com o impacto, a moto foi arrastada por aproximadamente 20 metros.

O PM se recusou a fazer o teste do bafômetro e foi encaminhado para a Delegacia de Delitos de Trânsito da capital. Durante o depoimento, ele preferiu ficar em silêncio.

A vítima trabalhava como caminhoneiro de dia e a noite entregava pizzas para complementar a renda da família. Ele deixa a esposa e uma filha de onze anos.

O acidente ocorreu entre as ruas Senador Accioly Filho e Arthur Martins Franco, na Cidade Industrial de Curitiba.

O delegado Leonardo Carneiro, da Polícia Civil do Paraná, afirmou que todas as testemunhas confirmaram que ele consumia bebida alcoólica enquanto dirigia.

"Todas as pessoas que viram o acidente foram enfáticas em falar que ele estava embriagado e dirigindo de forma extremamente irresponsável. As testemunhas disseram que ele estava furando o sinal vermelho, desrespeitando a sinalização e assumindo o risco de provocar o acidente", declarou o responsável pelas investigações.

Ainda segundo as testemunhas, no momento do acidente, o policial negou que tinha consumido bebida alcoólica, mas confessou que tinha saído de uma festa e iria para outra.

"Agora vamos verificar as imagens das câmeras de segurança para confirmar como ele conduzia o carro. Ele vai responder pelo crime de homicídio doloso qualificado, já que ele viu a possibilidade do resultado e não se importou", disse o delegado

O militar, por enquanto, não teve o nome divulgado. A Polícia Militar do Paraná foi procurada, mas ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Cotidiano