PUBLICIDADE
Topo

'Mãe também mata': Pai de Henry cobra indiciamento de babá e avó

Tatiana Campbell

Colaboração para o UOL, no Rio

06/05/2021 04h00

"Para mim, a avó não proteger o único neto, a babá não falar nada. Sentimento de que a justiça está sendo feita, mas ainda estou no aguardo para ver se vai indiciar a babá, tem que indiciar todo mundo."

Ao UOL, o engenheiro Leniel Borel, pai do menino Henry, disse ontem (4) ver omissão na postura da cuidadora Thayna de Oliveira Ferreira e de Rosângela Medeiros da Costa e Silva, mãe de Monique Medeiros e avó da criança. No dia seguinte à apresentação da conclusão do inquérito, ele prometeu —sem dar detalhes— que adotará medidas legais para que elas sejam indiciadas.

Sem acesso ao inquérito —encaminhado nesta semana pela Polícia Civil ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro)—, Leniel diz que ainda há muito a ser feito. O vereador Dr. Jairinho (sem partido) e Monique foram indiciados por homicídio duplamente qualificado e por crimes de tortura.

"Ela [avó materna] sabia que meu filho estava sendo agredido. Disse que nada acontecia e meu filho falando na cara dela que o 'tio Jairinho machucava'. É revoltante. Uma mentirosa. Pra salvar a filha dela, mentiu. Mas e o neto dela? E o meu filho?", questionou.

"Se ela [avó materna] não for [indiciada], eu vou botar meus advogados para irem atrás. Estão achando que vão levar a vida normal e eu vou ficar aqui todos os dias chorando?", disse ele.

Sobre a babá, o engenheiro criticou o fato de a funcionária nunca lhe ter procurado para alertar sobre as queixas de Henry.

"Eu não contratei a Thayna, quem contratou foi a Monique, mas ela tinha meu telefone. O celular do meu filho estava disponível o tempo todo. Ela podia me ligar, só que não me ligou. Agora, depois do que aconteceu, ela diz: 'Poxa, eu sabia e falei pra Monique'. Por que não falou pra mim?"

Procurada pelo UOL, a advogada de Thayna, Priscila Sena, disse que não irá se manifestar e que "aguardará que ele [Leniel] formule as acusações e prove".

Já a defesa de Monique informou que irá se posicionar após ler a reportagem. Aos advogados da mãe de Henry, o UOL encaminhou as acusações feitas por Leniel a Rosângela e a Monique.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar crime de falso testemunho contra a babá —que admitiu ter mentido no primeiro depoimento após pressão de Monique. Quanto ao segundo, os investigadores disseram que Thayna não relatou todos os detalhes das supostas agressões de Jairinho contra Henry.

Violência contra criança

Após a morte do filho, Leniel diz que recebe diariamente ligações e mensagens sobre episódios de agressões contra crianças em todo o país.

"Não tem que parar só no Jairo e na Monique. O Brasil tem que parar com isso, de sentimento de impunidade. O Jairo só fez o que fez por achar que era impune, a Monique —com ele falando para ela que é influente— se sentiu impune."

"Me incomoda esse número de crianças assassinadas por dia. Eu tenho falado com muita gente, com a mãe da Isabella [Nardoni] e, desde o caso dela até o meu, nada mudou no país. O foco é na criança. Temos que fazer alguma coisa para que os pais, padrastos e madrastas pensem dez vezes antes de agredir a criança."

"Se não tem lei para avó que é omissa, para babá que é omissa, então vamos criar. Vamos fazer alguma coisa."

'Ela acabou vendendo o filho dela'

"Eu não acreditava que Monique poderia fazer isso, mas ela está mostrando pro mundo que mãe também mata, mãe também é omissa, mãe é gananciosa. Ela acabou vendendo o filho dela."

Leniel disse que, além de manifestações de apoio, chegou a receber mensagens o acusando de ser um pai omisso.

"Eu não fui [omisso]. Todo dia ligava para ele [Henry] para saber se estava tudo bem, perguntava para Monique, mas todo mundo falando que estava tudo bem quando não estava. Meu filho pediu para eu dormir lá, como que eu ia dormir com Jairo e Monique lá? Pedi pros avós irem e agora dizem que não sabiam de nada. Eles todos foram omissos."