PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Caso Henry: Jairinho é denunciado por tortura contra filho de ex-namorada

Dr. Jairinho é preso temporariamente no Rio de Janeiro - Vitor Brugger/Estadão Conteúdo
Dr. Jairinho é preso temporariamente no Rio de Janeiro Imagem: Vitor Brugger/Estadão Conteúdo

Igor Mello

Do UOL, no Rio

29/06/2021 16h49

O vereador Dr. Jairinho (sem partido) foi alvo de uma nova denúncia feita pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) por tortura e falsidade ideológica. Dessa vez, ele é acusado de ter cometido crimes contra o filho de uma ex-namorada.

Jairinho está preso desde abril sob a acusação de ter matado o menino Henry Borel, 4 anos, filho de sua companheira Monique Medeiros — ela também segue presa.

Ontem (28), o Conselho de Ética da Câmara dos Vereadores votou pelo prosseguimento do processo de cassação do mandato do vereador. Ele também já havia sido indiciado por violência doméstica contra essa mesma ex-namorada.

Além da denúncia, a 1ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Territorial da área Zona Sul e Barra da Tijuca também pediu um novo mandado de prisão preventiva contra Dr. Jairinho — a medida faria com que ele continue preso caso consiga um habeas corpus no Caso Henry.

O crime denunciado pelo MP-RJ ocorreu em 9 de março de 2015. De acordo com a promotoria, a criança, então com 2 anos, foi submetida a "desnecessário sofrimento físico e mental".

Segundo a denúncia, o vereador buscou a criança — que estava passeando com a mãe — em um shopping na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Após deixar o local, ele teria iniciado uma sessão de violência contra o menino, fazendo com que ele ficasse com hematomas nas bochechas e vomitasse no veículo.

Quando isso ocorreu, Jairinho ordenou que a criança saísse do carro, mesmo estando em uma área íngreme e coberta de grama. A criança então teve que deixar o carro sozinha e tentou descer da cadeirinha, em uma altura de até 70 cm. Ao cair, ela fraturou o fêmur.

À namorada, Jairinho disse que a criança havia torcido o joelho. Ele inicialmente levou o menino a um hospital particular. Mas resolveu levá-lo para o Hospital Municipal Lourenço Jorge após a fratura ser diagnosticada.

No hospital público, Jairinho teria mentido sobre o motivo da fratura, atribuindo-a a um acidente automobilístico. Por conta disso, ele também foi denunciado por falsidade ideológica.

A denúncia narra ainda outros episódios de agressões contra a criança, que ocorreram entre novembro de 2014 e junho de 2016

Cotidiano