PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
4 meses

Suspeito de matar ex-namorada em sítio em MG é preso no ES

Suspeito da morte de Natália Epifânia de Oliveira, 23 anos, foi preso em Vitória (ES) - Reprodução/Redes Sociais
Suspeito da morte de Natália Epifânia de Oliveira, 23 anos, foi preso em Vitória (ES) Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Do UOL, em São Paulo

14/07/2021 11h46Atualizada em 14/07/2021 14h21

A Polícia Civil prendeu na noite de ontem o suspeito de matar a tiros a recepcionista Natália Epifânia de Oliveira, de 23 anos, no último domingo (11), em um sítio em São Pedro do Suaçuí, no interior de Minas Gerais.

Anderson Christian de Oliveira, 37 anos, ex-namorado da vítima, foi preso no centro de Vitória (ES). O irmão da vítima presenciou o crime e afirmou que o autor não aceitava o fim do relacionamento, que terminou há seis meses.

"O homem foi localizado e preso a partir de uma ação conjunta das polícias de Minas e do Espírito Santo e da Guarda Municipal de Vitória e Vila Velha. Com a prisão do suspeito e o cumprimento de mandados de busca e apreensão, a PCMG irá concluir as investigações nos próximos 10 dias", informou a assessoria da Polícia Civil.

O delegado Rodrigo Luiz Nalon disse que o suspeito não apresentou resistência. Nalon afirmou que a família da vítima relatou que os Oliveira e Natália tiveram um relacionamento conturbado e que ele "perseguia a jovem" após o término.

Ainda de acordo com a testemunha, Natália estaria abraçada com um amigo quando o secretário chegou ao local e efetuou três disparos em direção à cabeça da jovem, que morreu na hora. Após a ação, ele fugiu.

Oliveira era secretário municipal de Esportes de São José do Jacuri, também em Minas, e não tem passagem pela polícia nem histórico de agressões. Natália também era servidora municipal.

Em nota enviada ao UOL, a instituição informou que o servidor Anderson Christian de Oliveira foi imediatamente exonerado assim que houve conhecimento do fato, "pois a administração não compactua com violência contra a mulher".

A exoneração já foi publicada no Diário Oficial, mas o nome dele ainda consta como titular da pasta no site da prefeitura do município.

O suspeito será interrogado. A pena para o crime de feminicídio é de 12 a 30 anos de prisão.

Cotidiano