PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

Pe. Lancellotti diz que PM tentou impedir doação de marmitas na Cracolândia

O padre Julio Lancellotti - Fernando Moraes/UOL
O padre Julio Lancellotti Imagem: Fernando Moraes/UOL

Heloísa Barrense

Do UOL, em São Paulo

07/08/2021 20h35Atualizada em 08/08/2021 18h29

Voluntários da Pastoral do Povo da Rua de São Paulo foram barrados na tarde de hoje ao tentar realizar uma ação de distribuição de alimentos na região Luz, conhecida como Cracolândia. Segundo o Padre Julio Lancellotti, coordenador da organização, a PM (Polícia Militar) havia cercado todas as entradas do local, proibindo a equipe de adentrar pelas ruas.

"Quando a nossa equipe chegou com o almoço, eles disseram que não poderiam passar. Em nenhuma tentativa deu certo, então eles deram a volta e foram por uma outra entrada", contou o Pe. Julio Lancellotti ao UOL.

"Os policiais vieram e disseram que eles estavam desobedecendo à ordem, que a ordem era não entrar, e começaram a intimidá-los."

Segundo o padre, os policiais pegaram os dados de cada um dos voluntários. "Isso é uma forma de intimidação, porque não se sabe o que vão fazer com esses dados", disse.

Ao final, a equipe da Pastoral do Povo da Rua conseguiu distribuir as marmitas para a população. "Eles [a polícia] ainda disseram que os voluntários estavam atrapalhando o trabalho deles", contou o padre.

O UOL entrou em contato com a SSP-SP, que informou que "as forças de segurança paulista atuam diariamente no centro da cidade de São Paulo, inclusive na região da Nova Luz, para garantir a segurança da população e combater todas as modalidades criminosas."

Segundo a secretaria, a PM realiza no local policiamento "preventivo e ostensivo", com o apoio de bases comunitárias móveis, Cavalaria, Equipes da Força Tática, além do uso de drones para "mapear a área e traçar novas ações".

Ainda, de acordo com o comunicado, a Polícia Civil também atua no local para operações contra o tráfico de drogas. A secretaria afirma que "as polícias paulistas são instituições legalistas, que respeitam e obedecem ao Art. 5°, inciso, XV, da Constituição Federal: é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens."

"De qualquer forma, a Corregedoria da instituição está à disposição para receber todas as denúncias com relação às abordagens policiais", finaliza.

Cotidiano