PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Empresário fotografa sucuri boiando por ter ingerido animal em Bonito (MS)

Cobra foi fotografada digerindo animal pelo empresário Juca Ygarapé, em Bonito (MS) - Juca Ygarapé/Instagram
Cobra foi fotografada digerindo animal pelo empresário Juca Ygarapé, em Bonito (MS) Imagem: Juca Ygarapé/Instagram

Caio Santana

Do UOL, em São Paulo

17/09/2021 00h04Atualizada em 17/09/2021 09h41

Uma enorme sucuri boiando, depois de engolir uma presa, foi fotografada por um empresário durante um passeio no Rio Formoso, em Bonito (MS). O responsável pelo registro, Juca Ygarapé, é um admirador da espécie e compartilhou o flagra na última terça-feira (14).

"Ela fica na espreita, às vezes um mês, no passadouro do bicho. Não é 'ah, viu o bicho e pega'. Ela fica em um lugar que tem certeza que vai pegar o bicho e matar. [...] Essas que comem não conseguem se esconder tanto", explica Juca em entrevista ao UOL. Ele acrescenta que, devido ao tamanho da presa, a cobra, que não é peçonhenta, não consegue afundar e boia enquanto faz a digestão.

Como não houve nenhuma observação do momento em que a presa foi atacada, não é possível saber qual animal a sucuri engoliu. O cardápio disponível na região, que fica na transição do Cerrado com o Pantanal, permite que os observadores tenham suas próprias apostas.

"Existe a possibilidade de ser uma capivara; é uma suposição. Realmente, a sucuri engoliu um animal de médio porte e a capivara faz parte do cardápio dela, mas, para confirmar isso, só se a serpente regurgitasse", explica ao UOL o biólogo e coordenador de monitoramento ambiental do IHP (Instituto Homem Pantaneiro), Sérgio Barreto.

A dieta da sucuri é baseada em peixes, anfíbios, lagartos, jacarés e mamíferos de pequeno, médio e grande porte, a depender do tamanho da serpente. Geralmente presas como capivaras e porcos-do-mato que podem deixar a cobra boiando devido aos seus tamanhos e tempo para digerir.

Ao compartilhar a imagem, Juca escreveu que essa é uma época que a serpente costuma sair para se alimentar e acasalar. Ele, que trabalha com agência de turismo há 31 anos em Bonito, faz questão de reforçar que as sucuris não causam mal ao ser humano.

"É um bicho super dócil que a gente acompanha há um tempo. Em Bonito, temos passeios e às vezes as pessoas passam por ela, tiram fotos. Ela não ataca ninguém, não tem perigo nenhum. É um bicho muito bonito, principalmente quando está nadando", completou Ygarapé.

Avistamentos

Registros de sucuris costumam ser mais comuns no período do inverno, devido às baixas temperaturas da estação, que possui noites mais frias. Durante o dia as serpentes costumam sair para tomar sol pela manhã, para fazer sua termorregulação (regulação da temperatura corporal).

"É o período reprodutivo do animal, onde temos um aumento no seu deslocamento e devido a seu tamanho, fica ainda mais fácil sua visualização", explica Barreto.

foto 1 - Eduardo Vessoni/UOL - Eduardo Vessoni/UOL
Em Bonito (MS), um dos rios da cidade leva o nome da serpente, o Rio Sucuri, um dos atrativos naturais do município
Imagem: Eduardo Vessoni/UOL

Ameaças

Uma das principais ameaças da maior cobra do continente americano é justamente o ser humano, devido ao comércio internacional da sua pele. "O animal, quando se depara com o homem, normalmente foge e só ocorre o ataque de forma defensiva por manipulação e captura de forma inadequada", ressalta Sérgio.

"A principal ameaça a esse animal é a perda de seu habitat e também a caça ilegal, que estão fazendo com que encontros como o ocorrido na região de Bonito sejam cada vez mais raros".

Cotidiano