PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

Grupo encapuzado ataca assentamento na Bahia; PMs estão entre suspeitos

Mattheus Miranda

Colaboração para o UOL, em Salvador

20/11/2021 18h09Atualizada em 20/11/2021 22h44

Moradores do assentamento Tererê, em Catu de Abrantes, no município de Camaçari (BA), passaram por momentos de pânico na madrugada de hoje (20). Cerca de 30 homens encapuzados invadiram o local, na Região Metropolitana de Salvador, e usaram tratores para derrubar casas, além de atear fogo em algumas residências de madeira.

A Polícia Militar confirmou que cinco integrantes da corporação estavam envolvidos na ocorrência e foram conduzidos à Corregedoria-Geral da instituição. Segundo moradores do assentamento ouvidos pelo UOL, eles participaram da invasão.

Das 30 famílias que vivem no assentamento, pelo menos 13 foram atacadas. Uma casa foi invadida e 12 foram demolidas ou incendiadas.

De acordo com dois moradores do assentamento ouvidos pela reportagem, o local seria visado para a construção de um condomínio. Eles pediram para não terem seus nomes publicados por temor de represálias.

Moradores: policiais participaram de ataque

Ainda segundo esses moradores, cinco policiais estavam entre os mais de 30 homens envolvidos no ataque. Eles afirmam que conseguiram identificá-los desta forma porque os próprios suspeitos teriam revelado a profissão no momento em que a PM chegou no assentamento.

"Chegaram gritando. Um pessoal armado. É tudo ladrão. Levaram carne, cerveja, tudo que tinha de comida eles levaram. Até minha caixa de som eles levaram. Perdi tudo. Cheguei na delegacia ontem depois de uma da manhã e saí agora", disse um dos moradores que teve a casa demolida.

Em contato com o UOL, o advogado das vítimas, Davi Piedade informou que os suspeitos chegaram entre meia-noite e uma hora da manhã, armados e portando ferramentas de construção.

"Não teve conversa. Chegaram demolindo as casas, quebrando as casas e, algumas delas, que eram de madeira, atearam fogo", disse.

Ainda de acordo com Piedade, uma das vítimas sofreu uma tentativa de estupro durante a confusão. "Uma senhora quase foi estuprada. Quando eles entraram na casa, ela foi puxada pelo cabelo. O marido viu a situação, conseguiu tirar ela do local. Eles correram juntos para o mato".

O advogado afirmou à reportagem que os suspeitos também roubaram alguns itens da comunidade. "Máquina de lava-jato, aspirador de pó, televisão, gás de cozinha. Algumas coisas foram dispensadas no caminho quando eles viram os policiais chegando. Outras foram apresentadas na delegacia".

Durante a confusão, a vítima de tentativa de estupro conseguiu entrar em contato com a Polícia Militar, que encaminhou uma guarnição para o local. Os policiais militares realizaram a prisão dos envolvidos ainda durante a madrugada.

PMs são encaminhados para Corregedoria

Em nota enviada por volta das 18h30 de sábado (20), a Polícia Militar da Bahia informou que, após receber a informação do ataque ao assentamento, policiais realizaram rondas e encontraram um trator. Também foram avistados "veículos de passeio em comboio, próximo a Praça de Pedágio, sentido Simões Filho".

"A abordagem foi realizada com busca pessoal em todos os implicados na ocorrência, entre eles 05 (cinco) policiais militares. Na 27ª DP/Itinga, foram apresentados os envolvidos, bem como os veículos e materiais apreendidos. Posteriormente os policiais militares foram conduzidos à Corregedoria-Geral da PMBA, para adoção das medidas cabíveis", diz o comunicado.

A Polícia Civil do estado da Bahia informou ao UOL que policiais militares apresentaram na 26ª delegacia territorial (DT/Abrantes), na manhã de hoje (20), três suspeitos de expulsarem moradores da localidade.

O trator utilizado pelo trio para derrubar as casas permanecia na unidade. Após o registro da ocorrência, os envolvidos foram encaminhados à 27ª Delegacia Territorial (DT/Itinga), para a realização das providências de polícia judiciária.

Cotidiano