PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

Acusado de cometer mais de 100 estupros foge pela segunda vez de presídio

Wanderson Alves Carvalho foi preso em 2001, mas conseguiu ser liberado por falta de provas. Em 2004, foi detido novamente - Divulgação
Wanderson Alves Carvalho foi preso em 2001, mas conseguiu ser liberado por falta de provas. Em 2004, foi detido novamente Imagem: Divulgação

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

19/12/2021 17h59

Um homem preso acusado de cometer mais de 100 estupros fugiu na sexta-feira do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Essa é a segunda vez que Wanderson Alves Carvalho, conhecido como "Dentinho", consegue fugir —a primeira aconteceu em 2004.

Segundo a DGAP (Diretoria-Geral de Administração Penitenciária), ele fugiu enquanto "prestava serviço de limpeza" no local. "O detento havia sido escoltado da Penitenciária Odenir Guimarães até a base do Grupo de Guaritas e Muralhas para realizar os trabalhos", mas no retorno, as equipes perceberam que Carvalho não havia voltado.

Reportagem da Folha de S. Paulo, de junho de 2004, mostra que o acusado comete os crimes de estupro desde 2001. Ele chegou a ser preso na época, mas foi solto em seguida por falta de provas.

Em maio de 2004, ele foi detido novamente, mas conseguiu fugir 14 dias depois. Em julho, então, Carvalho foi preso, onde permaneceu até sexta-feira.

A delegada responsável pelo caso na época, Mírian Aparecida Borges de Oliveira, disse que ele usava uma bicicleta e vestia boné e bermuda para abordar as vítimas, "geralmente universitárias". "Ele pedia informação e, quando a jovem ia responder, a atacava com uma arma", disse Oliveira em 2004.

Depois, Dentinho levava a vítima até um terreno baldio onde praticava violência sexual e também roubava. Ele foi condenado a 196 anos de prisão.

Na época, ao menos 31 mulheres reconheceram o homem em Goiânia. Em Aparecida, outras 51 vítimas registraram boletins de ocorrência de estupro.

Investigação

A DGAP afirmou que iniciou uma investigação no fim de semana para encontrar Carvalho e abriu procedimentos administrativos para "apurar as causas e circunstâncias" da fuga.

"Os procedimentos administrativos instaurados juntamente às forças coirmãs, apurarão as circunstâncias da fuga e medidas já foram adotadas para evitar ocorrências dessa mesma natureza no complexo e em outras unidades prisionais do Estado", disse o diretor-geral, Josimar Pires.

A diretoria informou também que caso alguém tenha notícias de Carvalho pode fazer uma denúncia anônima por telefone para o 190 da Polícia Militar, 197 da Polícia Civil e para Ouvidoria da SSP (Secretaria de Segurança Pública), pelo número 62 3201 1212.

Cotidiano