PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Homem que jogou banco em mulher tem histórico de violência, diz dona de bar

Do UOL, em São Paulo

23/06/2022 14h17Atualizada em 23/06/2022 14h19

O homem que agrediu um casal de mulheres em São Vicente (SP) tem histórico de violência na região, segundo os donos dos estabelecimentos próximos de onde ocorreu o caso na madrugada de segunda-feira (20). Ele foi gravado jogando um banco contra uma mulher de 25 anos após uma série de comentários homofóbicos.

Ao UOL, a dona do comércio em que ele estava, Cleo Góis, 58, afirmou que repudia a situação e que não quer que ele retorne ao bar.

"Ele só traz problemas pra gente. Já ameaçou outros clientes e nessa noite também deu prejuízo para o meu estabelecimento. Eu fiquei sabendo que já era para estar fechando o bar, e ele não saiu. Espero que ele nem apareça aqui. Se aparecer, eu chamo a polícia", afirmou ela. "Nossa posição é em favor da comunidade LGBT. Nós defendemos a liberdade."

Valdomiro Moreira, 49, dono do bar ao lado de Cleo, que estava fechado no dia da agressão, disse que quando viu as imagens circularem nas redes sociais reconheceu que o homem já havia demonstrado comportamento agressivo contra um de seus clientes há duas semanas.

"Ele começou a bater na porta do restaurante [da Cleo], que estava fechado. Meu cliente viu, se assustou e questionou ele, que respondeu de forma agressiva", relata. "A gente tenta fazer um filtro de clientes, mas nem sempre consegue."

Os donos dos estabelecimentos informaram que o homem não foi visto novamente no local nesta semana.

O caso ocorreu na madrugada de segunda-feira (20), na rua Martim Afonso, no centro de São Vicente. Uma das vítimas, de 25 anos, chegou a ser atingida na cabeça por um banco. A namorada dela, de 22, registrou a cena pelo celular.

Segundo a namorada, que preferiu não se identificar, o casal estava tomando uma cerveja e conversando quando um homem se aproximou, vindo de outro bar. "Em certo momento, pedimos para usar o banheiro e o funcionário deixou a gente entrar, disse para ficarmos à vontade. Assim que saímos, continuamos conversando lá fora e o homem saiu e fez um comentário: 'o bom é que compra uma e leva duas'", relatou ela em entrevista ao UOL ontem.

A jovem de 22 anos disse que ficou indignada com a frase e questionou a namorada, que afirmou que era melhor "deixar isso para lá". No entanto, após as duas se beijarem, o homem voltou a agredi-las verbalmente. "Ele falou que ia puxar a cinta, que éramos duas crianças, que a nossa geração era uma merda, que não deveria existir livre arbítrio, que a gente tinha lugar pra fazer isso, que existiam lugares LGBT, que a gente poderia ficar."

O homem, segundo a jovem, afirmou que as duas deveriam voltar para casa. "A gente não tinha feito nada demais. Teve um momento que não aguentamos mais e comecei a retrucar também, que foi quando eu comecei a gravar. Aí ele repetiu novamente a frase que deu início a tudo e jogou um banco. Eu acho que ele mirava nas duas, mas acabou acertando na minha namorada, que caiu no chão".

As duas registraram um boletim de ocorrência. A jovem de 25 anos deve passar por um exame de corpo de delito. Segundo a namorada, ela ainda está abalada com o caso.

Em nota, a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) informou que o caso foi registrado como lesão corporal e injúria no 1º DP de São Vicente e encaminhado à Delegacia Sede do município para investigação. O órgão também disse que a vítima foi orientada quanto ao prazo de 180 dias para representação relacionada ao crime de lesão corporal e ao prazo de seis meses para representação criminal contra o autor. A secretaria não informou o nome completo do agressor, nem se ele está sendo procurado para responder pelo caso.

Cotidiano