Topo

Conteúdo publicado há
8 meses

Polícia prende 33 suspeitos de integrar grupo que aplicava golpe dos nudes

Do UOL, em São Paulo

29/05/2023 09h26Atualizada em 29/05/2023 14h57

A Polícia Civil fez uma operação na manhã de hoje contra um grupo criminoso que aplicava o chamado golpe dos nudes. Os bandidos enganavam as vítimas e depois exigiam dinheiro para não vazar fotos íntimas.

O que aconteceu:

33 pessoas foram presas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O dinheiro obtido pelo golpe era pulverizado entre laranjas até que voltasse para o grupo criminoso, aponta investigação da Polícia Civil.

Os golpistas fingiam ser adolescentes ou mulheres jovens para atrair homens com dinheiro nas redes sociais. O objetivo era conseguir fotos íntimas das vítimas para extorsão.

Depois que as fotos eram enviadas, um falso delegado da polícia do Rio Grande do Sul entrava em contato com a vítima. Neste momento, o golpista dizia que a jovem era menor de idade e ameaçava expedir um mandado de prisão e expor o caso.

O falso policial oferecia um "acordo" em dinheiro para evitar a abertura de uma investigação. Em 11 meses, o grupo fez pelo menos 80 vítimas em 12 estados e movimentou cerca de R$ 450 mil.

Na operação de hoje, a Polícia Civil prendeu duas mulheres e dois homens suspeitos de aliciar adolescentes. Elas recebiam dinheiro e, em alguns casos, eram ameaçadas para tirar fotos íntimas, mandar áudios e vídeos. As imagens eram enviadas para as vítimas que seriam extorquidas.

Muito dos criminosos que fazem parte do grupo já estão presos e usavam o dinheiro para obter regalias nas cantinas, diz a polícia. O lucro também era usado para retroalimentar o tráfico de drogas e de armas.

Os suspeitos podem responder por lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, organização criminosa, porte ilegal de munições e armas de fogo, extorsões e corrupção de menores.

Foram cumpridos 102 mandados de prisão preventiva, temporária, busca e apreensão domiciliar e de veículos, além do bloqueio de contas bancárias.

Veja em quais cidades a operação foi realizada:

  • Porto Alegre (RS)
  • Canoas (RS)
  • Cachoeirinha (RS)
  • Gravataí (RS)
  • Alvorada (RS)
  • Viamão (RS)
  • Tramandaí (RS)
  • Imbé (RS)
  • Florianópolis (SC)
  • Ingleses (SC)
  • Carianos (SC)

'Vou em 30 cara por dia' e 'Eles também erraram'

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul também flagrou conversas dos criminosos. Eles se gabam de conseguir dinheiro fácil e dizem que as vítimas também erraram "por mandar conteúdo pornográfico para uma criança".

Leia alguns diálogos:

Eles também erraram em deixar essa menor ter acesso livremente a esse tipo de conteúdo, mandar conteúdo pornográfico para uma criança.

Tenho sistema público consigo os dados da pessoa até foto 3x4. Consigo tudo. Vou em 30 cara por dia.

Nem tráfico dá tanto din do q eu faço.

Ganho din deitado.

Entenda o golpe dos nudes

Criminosos se aproximavam de empresários, médicos e homens que aparentavam ter dinheiro. Eles criavam perfis falsos e se passaram por jovens.

Após criar uma relação mais íntima com a vítima, o criminoso enviava nudes de mulheres por um app de mensagens. Eles aliciavam adolescentes e jovens para conseguir fotos, vídeos e áudios, que seriam enviadas para as vítimas.

Com isso, os criminosos esperavam conseguir fotos íntimas dos homens. As imagens eram usadas em tentativas de extorsão.

Em seguida, os golpistas fingiam ser policias e entravam em contato com a vítima. Nas conversas, alegavam que a jovem era menor de idade e exigiam uma quantia em dinheiro para não denunciar o caso nem envolver a polícia.

Imagens divulgadas pela Polícia Civil mostram um termo falso de consentimento enviado pelos bandidos às vítimas. O texto diz que a vítima é "réu" por enviar conteúdo pornográfico via rede social a uma menor de idade e também acusa os pais pelo "descuido".

Um dos termos falsos estabelece o pagamento de R$ 12 mil para "custeio de tratamento da menor em clínica psiquiátrica particular". Vídeos simulando delegacias e clínicas também eram usados pela quadrilha para pressionar a vítima e dar mais veracidade ao golpe.