Conteúdo publicado há 7 meses

PF prende ex-bombeiro em operação que investiga assassinato de Marielle

A Polícia Federal prendeu hoje o ex-bombeiro Maxwell Simões Corrêa, conhecido como Suel, em operação que investiga o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

O que aconteceu

Suel é amigo de Ronnie Lessa, policial militar reformado apontado como o responsável por matar Marielle, Anderson e pela tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves. Fernanda estava no mesmo carro que os dois no dia do crime.

Prisão foi possível após delação do ex-PM Élcio Queiroz. Preso desde 2019, ele confessou participação no crime e apontou Ronnie como o autor dos tiros, disse o ministro Flávio Dino (Justiça).

Os investigadores também descobriram provas mostrando o envolvimento de mais pessoas no planejamento do crime. A colunista do UOL Juliana Dal Piva apurou que os investigadores descobriram que Maxwell participou de campanas para o planejamento do assassinato da vereadora.

Além de Suel, a PF também cumpriu sete mandados de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro e região metropolitana. Os demais nomes ainda não foram informados.

A primeira fase da Operação Élpis apura os homicídios de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, além da tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves. Élpis é a deusa da esperança.

Flávio Dino, ministro da Justiça e Segurança Pública, confirmou a operação em seu Twitter. Em entrevista à Agência Pública no início do mês, o membro do governo chegou a afirmar que os próximo dias trariam novidades sobre o Caso Marielle.

O UOL busca a defesa do ex-bombeiro para esclarecimentos, mas até a publicação da reportagem não teve retorno. O espaço está aberto em caso de manifestações.

Continua após a publicidade

Por que Suel é suspeito?

Maxwell Simões Corrêa teria, segundo investigação do Ministério Público, atuado por obstruir as investigações sobre o assassinato. Em março deste ano o ex-bombeiro foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro a seis anos e nove meses de prisão. Ele cumpria pena em regime aberto.

Segundo o MP, Suel teria ajudado Ronnie Lessa a esconder armas em um apartamento na zona oeste do Rio de Janeiro.

A PF ainda não esclareceu o motivo do mandado de prisão de hoje. A Polícia Federal e o Ministério da Justiça darão entrevistas sobre o assunto ainda nesta manhã.

PF faz buscas na casa de Maxwell Simões Corrêa, preso em investigação do caso Marielle
PF faz buscas na casa de Maxwell Simões Corrêa, preso em investigação do caso Marielle Imagem: Reprodução/TV Globo

Caso Marielle

A vereadora do Rio Marielle Franco e o motorista dela, Anderson Gomes, foram assassinados a tiros, em 14 de março de 2018, no bairro do Estácio, no Centro do Rio.

Continua após a publicidade

Os ex-PMs Ronnie Lessa e Élcio Queiroz foram presos, apontados como autores dos homicídios — o primeiro teria atirado nas vítimas, e o segundo dirigia o carro que emparelhou com o da vereadora. Eles ainda não foram julgados, mas passarão por júri popular, em data ainda a ser definida pela Justiça do Rio.

Ainda não há sinalização sobre quem foi o mandante do crime. O primeiro inquérito, que concluiu a participação de Lessa e Queiroz, não conseguiu definir se eles agiram sozinhos ou a mando de alguém.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora