PM que matou genro de Abdelmassih é indiciado por homicídio culposo

O PM de folga que matou o genro do ex-médico Roger Abdelmassih ao confundi-lo com um assaltante foi indiciado hoje por homicídio culposo (sem intenção).

O que aconteceu

O PM Tulio Cesar Alonso de Sousa, 30, disse que confundiu a vítima do assalto com um dos criminosos. Na confusão, o empresário Denis Roberto Piccoli Ramos agrediu um dos assaltantes, levando o policial inverter os papéis. O caso ocorreu no último domingo (26) no Morumbi, zona sul de São Paulo.

O policial, que teve a sua arma apreendida para perícia, disse ter reagido a disparos dados pelos assaltantes e atirado no empresário. O UOL não localizou a defesa dele.

O PM que passava pelo local reagiu e foi recebido a tiros. Ele disse ter visto alguém usando um capacete para agredir uma pessoa. Ele atira, pensando que estava lidando com um dos assaltantes. Ele não tinha a intenção de acertar a vítima, mas houve um erro.
Ivalda Aleixo, delegada da Polícia Civil de SP

O agente também baleou os três criminosos —dois deles morreram no local. O terceiro envolvido no crime se recupera dos ferimentos e ainda deve prestar depoimento. Todos tinham antecedentes criminais por envolvimento em crimes como roubo e furto.

Um vídeo registrou toda a ação dos criminosos e a reação do policial de folga. Um dos criminosos invade a garagem e rende Ramos, que estava com a esposa na garupa. Comparsas em outras duas motos acompanham a ação.

Quando o portão da garagem fecha, um dos assaltantes corre para fugir. Nesse momento, é possível ver a reação a tiros do PM.

Baleado, um dos assaltantes cai. O vídeo registra o momento em que o genro de Adbelmassih se levanta e chuta o criminoso. Em seguida, ele começa a agredir o assaltante com o próprio capacete. Posteriormente, ele é baleado.

Continua após a publicidade

A esposa do empresário morto deve prestar depoimento para a Polícia Civil nos próximos dias. Os investigadores ainda aguardam pelo resultado dos laudos de confronto balístico e necroscópico para que o inquérito possa ser concluído e encaminhado ao Ministério Público.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora