Conteúdo publicado há 2 meses

Em júri, promotor chama advogada de 'feia' e diz que não a beijaria

Um promotor de Justiça chamou uma advogada de "feia" durante uma sessão do tribunal de júri na Comarca de Alto Paraíso, em Goiás.

O que aconteceu

A sessão do júri foi anulada após uma das juradas deixar o local por causa da discussão entre o promotor Douglas Chegury e a advogada de defesa, Marília Brambilla. "Não quero beijo da senhora. Se eu quisesse beijar alguém aqui, eu gostaria de beijar essas moças bonitas, não a senhora, que é feia", disse o promotor.

"Só porque eu reconheci aqui que esteticamente... Eu menti? Tecnicamente ela não é uma mulher bonita", continuou o promotor após protestos no tribunal. A OAB-DF (Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal) disse repudiar as "declarações misóginas" de Chegury.

O presidente da entidade no DF, Délio Lins e Silva Jr, afirmou que a ofensa contra a advogada "é clara" e há violação de prerrogativas. "Não aceitaremos qualquer tipo de violência contra a advocacia e, especialmente, contra a mulher advogada, como neste caso", disse.

A OAB Goiás também se manifestou e afirmou que a conduta do promotor "viola a ética profissional". O caso aconteceu na última sexta-feira (22).

A reportagem apurou que em um dos momentos do júri, a advogada "mandou um beijo" para o promotor. As declarações dele teriam acontecido após esse momento. "Os fatos serão apurados pelos órgãos disciplinares competentes", afirmou o Ministério Público de Goiás ao UOL.

Em suas redes sociais, a advogada disse que, em 22 anos de carreira, nunca havia enfrentado esse tipo de situação e agradeceu o apoio recebido. "Fui ofendida de uma forma que fui surpreendida pela ofensa", afirmou. "A advocacia não é para covardes", concluiu Marília.

Procurado pelo UOL, o promotor disse que foi vítima de uma "armadilha". "Essa advogada me provocou diversas vezes. Interrompia a minha fala, quebrava raciocínio, saía da sala, interrompia o juiz. [...] Eu caí na armadilha que eles armaram". Segundo Douglas, o objetivo de Marília era anular o júri.

O promotor reconheceu o erro. "Houve um erro da minha parte, no calor do debate, da discussão, da provocação. Acabei cedendo a essa provocação".

Continua após a publicidade

O que diz a OAB

A nossa reação será a altura das ofensas para que possamos repelir esses fatos e buscar a proporcional punição ao agressor. [...] Já na segunda-feira próxima protocolaremos todos nós juntos as representações necessárias na Corregedoria do Ministério Público de Goiás e ao Conselho Nacional do Ministério Público.
Beto Simonetti, presidente da OAB

A OAB-GO irá agir de modo a assegurar uma investigação criminal e administrativa adequada em relação ao ocorrido e a fomentar um ambiente jurídico de respeito e igualdade. Reiteramos o empenho da Seccional Goiana em erradicar a discriminação e promover a igualdade de gênero na seara jurídica e na sociedade.
Trecho de nota publicada pela OAB Goiás

Deixe seu comentário

Só para assinantes