Conteúdo publicado há 30 dias

O que se sabe sobre morte de médico com mãos amarradas e corda no pescoço

Um suspeito foi preso e outros dois estão sendo procurados pela polícia por suspeita de envolvimento no assassinato de um médico encontrado com as mãos amarradas e uma corda no pescoço dentro da própria casa na noite de sexta-feira (19) em São Bernardo do Campo (SP).

O que aconteceu

Suspeito foi encontrado com carro usado no crime. Um homem de 29 anos, cuja identidade não foi divulgada pela Polícia Civil, foi encontrado com o veículo usado no assassinato do médico Aurélio Tadeu de Abreu, 48. Em seguida, indicou aos policiais onde estava o outro carro, que pertencia à vítima e foi roubado no crime. O caso foi registrado como latrocínio (roubo seguido de morte).

Celulares apreendidos com suspeito podem ajudar a esclarecer o crime. A polícia encontrou dois aparelhos telefônicos, cinco pneus e algumas roupas com o suspeito. O carro da vítima e o material apreendido foram encaminhados para a perícia.

Médico morto foi achado sem camisa, com as mãos amarradas nas costas e uma corda ao redor do pescoço. Mas a causa da morte não foi revelada. Os vizinhos acionaram a Polícia Militar após perceberem que o portão da casa da vítima estava aberto.

Câmeras de segurança registraram ação. Segundo a polícia, as imagens mostram o momento em que o médico chega em sua casa. E, cerca de uma hora depois, uma mulher vai encontrá-lo no local. Os dois saem juntos da casa e retornam na noite de sexta-feira.

Dois homens aguardavam o retorno do médico. Depois de aguardarem em frente à porta da casa, eles entram no imóvel. Duas horas depois, um deles leva o veículo do médico. O outro homem e a mulher saem a pé do local. A polícia não disse qual dos homens foi preso.

A perícia coletou impressões digitais na casa do médico. Não foram encontrados indícios de luta dentro do imóvel. Havia latas de cerveja e garrafas de vinho espalhadas na residência. Como os suspeitos não tiveram as identidades reveladas, não foi possível localizar suas defesas.

Deixe seu comentário

Só para assinantes