Conteúdo publicado há 18 dias

Suspeita de jogar soda cáustica em jovem usou peruca da avó como disfarce

A mulher que confessou ter jogado soda cáustica no rosto de uma jovem em Jacarezinho (PR) usou uma peruca da avó para tentar se disfarçar ao cometer o crime, segundo a Polícia Civil do Paraná.

O que aconteceu

Antes de a suspeita ser presa, a família dela registrou boletim de ocorrência por seu desaparecimento. Os pais da mulher procuraram a polícia na quinta-feira (23) para registrar que a filha havia desaparecido e que esse comportamento era incomum da parte dela porque ela "é muito zelosa com o filho" e sequer foi buscar o menino na escola.

Ela havia sumido por causa do crime praticado no dia anterior, na quarta-feira (22), quando atacou Isabelly Ferreira, 23, com o líquido corrosivo.

Suspeita usou peruca da avó para se disfarçar. De acordo com a polícia, após a comunicação do desaparecimento da mulher, agentes foram até a casa dela e conversaram com sua avó. A idosa contou que tinha duas perucas em casa e que uma delas foi levada pela neta pouco tempo antes do crime. Com esses dados, os investigadores conseguiram concluir que se tratava da mesma pessoa que atacou Isabelly e a suspeita foi presa na sexta-feira (24).

Nós tínhamos as imagens da câmera de segurança que contribuíram para identificar as roupas e a pessoa estava usando uma peruca. A avó foi questionada e contou ter duas perucas em casa. Ela ainda notou que uma delas foi levada pela neta, justamente na manhã anterior ao crime. Diante disso, confirmamos a suspeita e concluímos a investigação com a prisão preventiva.
Delegado Tristão Antônio

Suspeita alegou "ciúmes e raiva"

Mulher disse à polícia que atacou Isabelly após ler supostas críticas feitas pela vítima à sua aparência física. A presa, que não teve a identidade revelada, disse em depoimento à polícia que, "acidentalmente", viu mensagens enviadas pela vítima no celular de seu namorado, que está preso, em que a vítima "fazia comentários depreciativos em relação a ela e sua beleza". Isabelly é ex-namorada do homem encarcerado.

Disse que agiu em razão de ciúme e que, acidentalmente, teria manipulado o aparelho celular do seu convivente [que anteriormente teria se envolvido com a Isabelly]. Obviamente o celular estava na casa da mãe dele, porque ele está recolhido ao cárcere, e ali identificou algumas mensagens, em tese, emitidas por Isabelly, que faziam comentários depreciativos com relação a ela e sua beleza.
Delegado Tristão Antônio

Mulher planejou o crime e comprou os produtos para usar no ataque dias antes de executar o plano criminoso. "[As supostas mensagens] a teriam deixado irritada e surgiu a ideia de cometer o crime. Ela foi ao supermercado, comprou soda cáustica e misturou com água. Ela também estudou o itinerário e o roteiro da vítima, então, quando Isabelly voltava da academia, ela arremessou [o líquido corrosivo] e fugiu", disse o delegado.

Continua após a publicidade

Entenda o caso

Imagens de câmera de segurança mostram ação em rua movimentada. A vítima foi socorrida por outras pessoas que passavam pelo local e levada a um pronto-socorro. Ela foi intubada com ferimentos no rosto, no peito e na boca, indicando a provável ingestão do líquido.

Agentes da Polícia Militar foram acionados para comparecer no hospital. No local, os militares conversaram apenas com enfermeiros, já que a vítima estava impossibilitada de relatar o que aconteceu.

A autora do ataque com ácido foi presa. Mulher estava escondida em matagal desde o dia do crime. A Polícia Militar disse que ela foi encontrada após pedir socorro no pátio de um hotel do município e apresentou uma história incoerente, contando aos militares que era perseguida por homens, informou o relatório policial.

Suspeita confessou o ataque, segundo PM. Ela confirmou a autoria ao ser questionada pelos policiais, segundo o relatório do 2º BPM.

Ataque foi causado por ciúmes, afirmou a suspeita. Segundo o relatório da polícia, a mulher contou que atacou Isabelly porque ela teria se relacionado com um ex-namorado dela.

Continua após a publicidade

Suspeita disse aos policiais que substância jogada na vítima era mistura de soda cáustica com água. Uma calça que teria sido usada no momento do crime foi apreendida, assim como um celular. A peruca usada pela suspeita no ataque foi jogada fora, conforme a polícia.

Vítima está intubada e em estado grave. Ela segue internada no Hospital Universitário de Londrina, informou a família.

Quimicamente, a soda cáustica (hidróxido de sódio) que a mulher alegou ter jogado na vítima é uma base, não um ácido. Apesar disso, a polícia ainda se refere oficialmente ao caso como um "ataque a ácido".

Deixe seu comentário

Só para assinantes