Sabia que existe o Partido da Maconha dos EUA? Veja 9 curiosidades

Marcelo Freire

Do UOL, em São Paulo

Ao contrário do que sugere a predominância dos partidos Democrata e Republicano, principalmente a partir do século 20, os Estados Unidos não têm um sistema político bipartidário. As chances reduzidas de eleição não impediram a fundação de inúmeros outros partidos ou mesmo candidaturas de políticos independentes.

A tarefa, no entanto, é ingrata: a autonomia dos Estados e suas regras eleitorais específicas dificulta a vida de uma potencial "terceira via", principalmente no caso da disputa para a Presidência. Os candidatos não democratas e nem republicanos precisam atrair cobertura da mídia, garantir seus nomes nas urnas em todos os Estados e ainda tentar participar dos debates para sonhar com a Casa Branca.

Em eleições regionais ou para o Congresso norte-americano o trabalho é menos complicado, e alguns políticos desfiliados dos dois grandes partidos já conseguiram se eleger.

Veja 9 curiosidades sobre os partidos políticos americanos:

Getty Images/iStockphoto
Getty Images/iStockphoto

1

Briga entre políticos fez nascer os partidos

Quando foi assinada, em 1787, a Constituição norte-americana não fez qualquer referência a partidos políticos, e o primeiro presidente, George Washington, não tinha filiações. Mas alguns anos depois os políticos proeminentes da época passaram a entrar em conflito sobre a autonomia dos Estados em relação à União, resultando nos dois primeiros partidos: o Federalista, que defendia o controle de Washington, e o Democrático-Republicano, defensor dos Estados. Ao longo do século 19, esses grupos políticos se dividiriam novamente e, a partir de 1860, democratas e republicanos começariam a polarizar.
Getty Images
 Getty Images

2

Republicanos surgiram como um partido antiescravidão

O Partido Republicano foi formado em 1854 tendo como um de seus ideais o combate à escravidão, que era defendida por democratas do sul dos Estados Unidos. Seu primeiro presidente eleito, Abraham Lincoln (1860-1865), foi o comandante da vitória na Guerra Civil Americana, que tinha a escravidão como uma de suas principais causas -- ela foi extinta após o conflito. Na época, os republicanos tinham sua base no Nordeste americano, com um eleitorado formado por comerciantes, empresários, fazendeiros e operários. A partir da década de 1960, o partido se tornou dominante nos Estados do Sul por causa da adoção de políticas conservadoras que agradaram o eleitorado dessa região.
Getty Images/iStockphoto
Getty Images/iStockphoto

3

Democratas já defenderam segregação racial

O Partido Democrata, um dos mais antigos do mundo, surgiu em 1824, atraindo imigrantes irlandeses, trabalhadores urbanos e fazendeiros do sul. Durante o século 19, os democratas estavam divididos em grupos próximos ao empresariado na região Nordeste, de Nova York, e políticos pró-escravidão -- que, após a libertação dos escravos, defenderam a segregação racial -- no Sul. Apenas em meados do século 20, o partido se aproximaria de ideais liberais e progressistas, que seriam reforçados ao longo dos anos e afastariam os democratas de grupos conservadores do Sul do país, desde então simpáticos aos republicanos.
Reprodução/Facebook/ Libertarian Party
Reprodução/Facebook/ Libertarian Party

4

Libertário é o terceiro maior partido dos EUA

Hoje, o terceiro maior partido americano, em número de filiados (411 mil), é o Libertário. Fundado em 1971, eles têm como característica abraçar bandeiras que agradam republicanos (não-intervencionismo na economia e apoio aos direitos dos donos de armas) e democratas (legalização de drogas, fim da pena de morte e apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo). O partido jamais ganhou uma vaga no Congresso americano, mas já teve cadeiras nas assembleias estaduais. Gary Johnson, candidato à Presidência em 2016, se colocou como terceira via a Hillary Clinton e Donald Trump e tem preferência de cerca de 8% do eleitorado, segundo as pesquisas. Em 2012, Johnson - que governou o Novo México entre 1995 e 2002, quando era republicano -- também se candidatou pelos libertários e recebeu pouco menos de 1% dos votos.
iStock
iStock

5

Nanicos incluem Partido da Maconha, da Nutrição e Comunista

Os EUA ainda têm uma lista de mais de 70 partidos políticos, desde os regionais -- o Partido Progressista de Vermont tem seis deputados estaduais, por exemplo -- até os ideológicos. Ligado a movimentos sindicais, o Partido Comunista dos EUA é um dos mais antigos (existe desde 1919) e já sofreu perseguição do governo federal nos tempos de Guerra Fria. Existem também siglas ligadas a igrejas (Partido da Liberdade Cristã), neonazistas (Movimento Nacional Socialista) e pró-liberação de drogas (Partido da Maconha dos EUA). O Partido da Nutrição é outro de demandas específicas, com a meta de "tornar a América saudável", e seu grande destaque é Rod Silva -- candidato à Presidência que é filho de imigrante brasileiro.
Arquivo/ The New York Times
Arquivo/ The New York Times

6

EUA tiveram mais presidentes republicanos

Desde a eleição de Lincoln em 1860, apenas republicanos e democratas ocuparam a Presidência americana. Os democratas governaram por mais tempo: 92 anos, quatro a mais do que os republicanos -- que, no entanto, tiveram mais presidentes (18 contra 15). Um dos responsáveis por essa dominância democrata foi Franklin D. Roosevelt (foto), o único presidente americano reeleito mais de uma vez -- ele governou por mais de 12 anos (1932-1945) e morreu no início de seu quarto mandato. Suas vitórias motivaram a 22ª emenda da Constituição americana, que proibiu que um presidente fosse reeleito mais de uma vez. Antes da polarização democrata-republicana, outros três partidos presidiram o país: o Democrático-Republicano (1801-1829), sem ligação direta com os atuais partidos predominantes, o Whig (1841-1845 e 1849-1853) e o Federalista (1797-1801). O primeiro governante do país, George Washington (1789-1797), foi o único presidente americano sem filiação partidária.
Getty Images/iStockphoto
Getty Images/iStockphoto

7

Burro democrata, elefante republicano

Os dois maiores partidos dos EUA também têm seus mascotes: o burro democrata e o elefante republicano. O burro apareceu pela primeira vez como símbolo democrata durante a campanha presidencial de Andrew Jackson em 1828. Jackson recebeu de seus opositores o apelido de 'burro', achou divertido e usou em seus cartazes de propaganda. O elefante foi usado pela primeira vez como símbolo republicano em 1864, no jornal da campanha presidencial de Abraham Lincoln. Os dois mascotes se popularizaram nas mãos do cartunista político Thomas Nast na década de 1870.
Divulgação/ Green Party
Divulgação/ Green Party

8

"Ecossocialistas" podem ter ajudado vitória de Bush sobre Al Gore

Fundado no início dos anos 2000, o Partido Verde dos EUA tem 248 mil filiados e segue plataformas tradicionais dos partidos verdes ao redor do mundo, como a preservação do meio ambiente, e defende bandeiras como proteção dos direitos LGBT, igualdade de gêneros e antirracismo. Descrito como 'ecossocialista', o partido também conseguiu algumas cadeiras em assembleias estaduais, mas nunca no Congresso. Um de seus expoentes foi Ralph Nader, que concorreu às eleições presidenciais em 2000 com o apoio do Partido Verde. Sua participação foi criticada por democratas e progressistas em geral porque teria atrapalhado a candidatura de Al Gore contra o republicano George W. Bush, que venceu a eleição de forma apertada. Em 2016, a candidata do partido à Presidência é a física e ativista Jill Stein, que concorreu também em 2012, obtendo 469 mil votos (0,4%).
Suzanne DeChillo/New York Times Photo
Suzanne DeChillo/New York Times Photo

9

Político sem partido também é aceito nas eleições

Os políticos norte-americanos não são obrigados a se filiar a nenhum partido, e a presença de independentes nas eleições é comum. Sete Estados já elegeram para o governo políticos desfiliados, como o Alasca, hoje comandado pelo independente Bill Walker. O próprio Bernie Sanders, que desafiou Hillary Clinton pela indicação democrata à Presidência, é um senador independente, de Vermont. Nenhum candidato do tipo venceu eleições presidenciais desde George Washington no século 18, mas alguns já afetaram a disputa democrata-republicana. Foi o caso de Ross Perot (foto), em 1992; terceira via do democrata Bill Clinton e do republicano George H. Bush (pai de George W. Bush), ele recebeu 19 milhões de votos, com 18,9% do eleitorado. Apesar de não ter ganhado em nenhum Estado, o bilionário texano Perot deixou a eleição, que terminou com vitória de Clinton, com um cenário mais indefinido. Perot também se candidatou em 1996, dessa vez pelo Partido Reformista.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos