PUBLICIDADE
Topo

EUA têm coletânea de e-mails e telefonemas feitos no Brasil, diz Paulo Bernardo

Carlos Madeiro

Do UOL, em Brasília

11/07/2013 13h48Atualizada em 11/07/2013 16h39

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou nesta quinta-feira (11) que está convencido de que os Estados Unidos fizeram uma coletânea de dados contendo e-mails e gravações telefônicas realizados no Brasil.

Bernardo participou de audiência no Senado e disse que teve uma conversa com o embaixador americano, Thomas Shannon. O americano disse não haver base de dados no Brasil ou convênio com empresas nacionais, mas confirmou a coleta de "metadados" (informação gerada quando você usa dispositivos tecnológicos), que poderiam ser aprofundados.

"Se você tem os dados resumidos, é evidente que você tem de ter esses dados. Fiquei convencido que o conteúdo é recolhido com todas as informações, pois não há como selecionar e gravar a depois. É uma coletânea de todos os dados, e a análise é feita de forma simplificada para facilitar", disse.

Bernado acredita que boa parte dos dados coletados tenha interesses econômicos. "Com certeza uma parte de interesse dessa bisbilhotagem é a espionagem comercial, industrial, formas de burlar a concorrência. Não duvido nada disso", declarou.

O ministro foi duro ao dizer citar que os EUA podem ter cometido um crime. "Ouvir ligação, copiar dados é crime. Não só no Brasil, como em todos os países civilizados do mundo. Temos que dizer isso claramente. E se isso ocorreu no país, tem que ser tratado como tal."

Mais tecnologia

O ministro garantiu que o Brasil pretende adotar estratégias para melhorar o sistema de comunicações. Em breve, uma satélite será produzido no país para aumentar a segurança e levar internet banda larga a lugar longínquos do país.

"Esse satélite vai dar mais autonomia de comunicações estratégicas, militares, diplomáticas. Já temos o orçamento, e agora está sendo providenciado pela a Telebras a empresa que vai fornecer a tecnologia. O satélite será montado no Brasil, pela Telebras e pela Embraer", apontou.

O ministro ainda voltou a citar a necessidade de o Brasil investir em tecnologia, visto que --segundo ele-- a lei americana obriga as empresas a instalar dispositivos nos softwares e hardwares que permitam acesso a informações.

"Se você está usando um equipamento desses, pode ter uma certa vulnerabilidade. A saída é investir em tecnologia própria. As empresas americanas vão cumprir a lei deles. A curto prazo não dá para resolver, mas a médio, dá. Temos conhecimento e empresas para isso, e está na política do governo", garantiu.

Ontem, os senadores também ouviram os ministros das Relações Exteriores, da Defesa e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência.
 

Internacional