Em meio a tensão política, Venezuela prepara maior exercício militar de sua história

Noris Soto e Andrew Rosati

Em Caracas

  • Xinhua/Zurimar Campos/AVN

A Venezuela está preparando os maiores exercícios militares de sua história, que serão realizados neste sábado, após o governo do país sul-americano ter dito que está em alerta máximo em um momento em que a oposição pressiona por um referendo para tirar o presidente Nicolás Maduro.

"A Venezuela está ameaçada", disse o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, na televisão estatal na quinta-feira. "Esta é a primeira vez que realizamos um exercício dessa natureza no país. Em termos de alcance nacional, ele vai estar em todas as regiões estratégicas".

Maduro anunciou os exercícios no fim de semana passado, um dia depois de prometer que prolongará os poderes especiais de emergência de seu governo. Divagando em uma entrevista coletiva que concedeu na terça-feira, Maduro disse que aviões espiões dos EUA, inclusive um Boeing 707 E-3 Sentry, entraram ilegalmente no espaço aéreo do país nesta semana. O país já estava em um elevado estado de alerta desde que os EUA renovaram um decreto presidencial que afirma que o país sul-americano é uma ameaça para sua segurança nacional, disse Padrino López.

O governador opositor Henrique Capriles disse que a "hora da verdade" chegou para as Forças Armadas do país na terça-feira, um dia antes que as forças de segurança usassem gás lacrimogênio contra manifestantes contrários ao governo na região central de Caracas.

Manifestações e diálogo

A oposição prometeu realizar mais manifestações em todo o país para pressionar o conselho eleitoral, CNE, a processar uma petição para ativar um referendo revogatório. Ela acusa o governo de dilatar o processo para evitar eleições antecipadas.

Maduro, em transmissão da televisão estatal, disse que o secretário-geral do bloco regional Unasul, Ernesto Samper, o ex-presidente da Republica Dominicana Leonel Fernández, o ex-presidente do Panamá Martín Torrijos e o ex-primeiro-ministro espanhol José Luis Zapatero apoiarão um processo de diálogo com a oposição. Os ex-líderes ajudarão os opositores a "respeitar a constituição", disse Maduro.

Maduro disse que esperava que a oposição "cedesse" e cooperasse em um processo de paz. Ele não entrou em detalhes.

As crescentes tensões políticas e econômicas estão cercando o país com a inflação mais alta do mundo, escassez de produtos básicos e controles cambiais. A insatisfação com a piora da economia e com o aumento da criminalidade desencadeou meses de manifestações contra o governo que resultaram em dezenas de mortos e centenas de feridos há dois anos.

"O governo está tentando assumir o papel de vítima tanto para a comunidade internacional quanto para seus próprios seguidores", disse Rocío San Miguel, diretora da Control Ciudadano, uma ONG de investigação sobre segurança com sede em Caracas, em uma entrevista. "Eles estão procurando uma distração para ganhar tempo, e não há distração melhor do que uma de cunho militar".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos