PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump diz que "todas as opções estão sobre a mesa" para a Coreia do Norte

Líder norte-coreano Kim Jong-un (esq.) e o presidente dos EUA, Donald Trump - Wong Maye-E/AP Photo
Líder norte-coreano Kim Jong-un (esq.) e o presidente dos EUA, Donald Trump Imagem: Wong Maye-E/AP Photo

Do UOL, em São Paulo

29/08/2017 10h17

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (29) que todas as opções estão sobre a mesa para responder à Coreia do Norte, depois que Pyongyang lançou um míssil balístico que atravessou o Japão.

"O mundo recebeu a mais recente mensagem da Coreia do Norte em alto e bom som: esse regime sinalizou seu desprezo por seus vizinhos, por todos os membros da ONU e pelos padrões mínimos aceitáveis para comportamento internacional", disse Trump, em comunicado divulgado pela Casa Branca.

"Ações ameaçadoras e desestabilizadoras só aumentam o isolamento do regime da Coreia do Norte na região e entre todas as nações do mundo. Todas as opções estão sobre a mesa", disse Trump.

A Coreia do Norte lançou nesta terça-feira, 29 (noite de segunda-feira no horário de Brasília), um míssil balístico que sobrevoou o Japão, intensificando a tensão na região devido ao programa militar de Pyongyang e provocando uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU.

Este é o primeiro projétil norte-coreano a sobrevoar o território japonês em vários anos, e o lançamento ocorre depois de Pyongyang te testado, em julho, dois mísseis balísticos intercontinentais.

O míssil norte-coreano "é uma ameaça grave e sem precedentes", disse o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

missil - Kazuhiro Nogi/ AFP - Kazuhiro Nogi/ AFP
Pedestres passam diante de tela com mapa da península coreana (esq.) e o Japão mostrando a trajetória do míssil lançado pela Coreia do Norte
Imagem: Kazuhiro Nogi/ AFP

Após o teste norte-coreano, o premier japonês e o presidente americano, Donald Trump, acertaram "aumentar a pressão" sobre o regime de Pyongyang e solicitaram uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU.

"O presidente Trump expressou claramente seu compromisso de que os Estados Unidos estão 100% ao lado do Japão", disse Abe, após uma conversa de cerca de 40 minutos por telefone com o líder americano.

Trata-se, de acordo com o premiê japonês, de uma "ameaça grave e sem precedentes".

A pedido de Trump e de Abe, o Conselho de Segurança fará a reunião nesta terça-feira.

O "míssil balístico não identificado" foi lançado de Pyongyang às 5h57 de terça-feira, hora local (17h57 de segunda, horário de Brasília), segundo comunicado do Estado-Maior sul-coreano, assegurando que o projétil se dirigiu para o leste e passou "por cima do Japão".

O míssil percorreu 2.700 km, alcançando uma atitude máxima de 550 km, segundo os comandos militares sul-coreanos.

O tiro provocou alarme no arquipélago japonês. As sirenes de alerta tocaram em todas as localidades situadas na trajetória do míssil, que sobrevoou o território japonês durante dois minutos antes de cair no mar. O tráfego ferroviário foi temporariamente suspenso.

Xingamento e indiretas marcam guerra verbal entre EUA e Coreia do Norte

UOL Notícias

Uma escalada

Os três mísseis lançados no sábado não representaram uma ameaça, segundo um porta-voz do Exército americano no Pacífico. Um deles explodiu no ar quase imediatamente depois do lançamento.

Já o lançamento desta terça-feira representa uma escalada significativa da parte de Pyongyang. No começo deste mês, os norte-coreanos haviam ameaçado disparar mísseis na direção da ilha de Guam, uma importante base americana, situada a 3.500 km da Coreia do Norte.

Um ataque desse tipo teria de passar necessariamente sobre o arquipélago japonês.

Em 2009, um foguete norte-coreano sobrevoou o território japonês sem causar incidentes, mas provocando o protesto imediato do governo de Tóquio.

Na ocasião, Pyongyang se justificou, assegurando que se tratava de um satélite de telecomunicações, mas Washington, Seul e Tóquio acreditam que foi um teste para desenvolver mísseis intercontinentais (ICBM).

Este mês, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, havia-se distanciado do plano de atingir o território de Guam e disse que poderia esperar. Ele advertiu que, para isso, era "necessário que os Estados Unidos fizessem a opção certa".

Pyongyang realizou dois testes de mísseis balísticos intercontinentais em julho, que parecem ter colocado ao seu alcance boa parte do território de Estados Unidos. A esse movimento, o presidente Donald Trump reagiu, alertando que Washington poderia responder com "fogo e fúria".

Pyongyang avançou rapidamente em sua tecnologia militar, com um programa que rendeu ao país o endurecimento das sanções impostas pela ONU.

Entenda o programa de mísseis norte-coreano

UOL Notícias

Internacional