Topo

Líderes das Coreias plantam árvore como mais um símbolo de paz

Korea Summit Press Pool
27.abr.2018 - O líder Kim Jong-Un, da Coreia do Norte, e o presidente Moon Jae-In, da Coreia do Sul, posam em frente a pedra com a inscrição: "A paz e a prosperidade foram plantadas" Imagem: Korea Summit Press Pool

27/04/2018 05h49

O encontro dos líderes da Coreia do Sul e da Coreia do Norte, Moon Jae-In e Kim Jong-Un, foi repleto de atos simbólicos de paz. O segundo deles foi a plantação de uma árvore na fronteira entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte usando terra das montanhas e águas dos rios dos dois países.

Moon jogou a terra e regou a planta com elementos do Sul; Kim usou os elementos encontrados na Coreia do Norte."Espero que como esta árvore, a nossa relação se mantenha sempre verde, inclusive no inverno", disse o líder norte-coreano, após o término da cerimônia.

Como aconteceu em outros detalhes da cúpula, o ato foi cuidadosamente coreografado e esteve carregado de simbolismo comum ou que fazem referência aos personagens que desempenharam um papel histórico na aproximação.

A árvore não é qualquer uma: ela foi semeada em 1953, ano em que o cessar-fogo entre os dois países foi assinado, as pás utilizadas foram feitas com madeira de uma árvore típica de Pyongyang e com o aço de Seul e a terra para fertilizar a árvore era procedente dos vulcões Halla e Paektu, os picos mais altos e venerados a cada lado da fronteira.

Além disso, a árvore foi plantada ao lado de uma estrada usada pelo fundador do grupo Hyundai, Chung Ju-yung (norte-coreano de nascimento), para visitar há vinte anos sua cidade natal e doar 1 mil cabeças de gado à Coreia do Norte quando o país tentava superar a grave crise de fome da década de 1990.

Ao lado da planta, foi colocada uma grande pedra com a seguinte frase, subscrita pelas lideranças: "A paz e a prosperidade foram plantadas aqui", com a assinatura dos dois líderes políticos.

Após a cerimônia, os dois líderes deram uma pequena caminhada por uma passarela que fica na fronteira entre os dois países e sentaram-se para conversar durante vários minutos em um ambiente muito íntimo.

Considera-se também que a imagem de Kim e Moon caminhando juntos sobre uma ponte tenha muita força dentro do imaginário coreano, em que a cena pode ser interpretada como um momento de transição onde se deixa para trás um passado marcado pela divisão e se avança para um futuro compartilhado.

Líderes cruzam a fronteira

O primeiro ritual simbólico foi o cruzamento da fronteira dos países pelos dois líderes. Dois minutos antes do previsto, às 21h28 desta quinta-feira (26), já manhã de sexta-feira na Ásia, pela primeira vez desde 1953 um líder norte-coreano pisou no território da Coreia do Sul.

Em um ato carregado de valor histórico, Kim Jong-un cruzou a fronteira e se encontrou com Moon Jae-in, que o recebeu com sorrisos e um aperto de mão. Moon também cruzou a fronteira em direção ao Norte, antes de os dois prosseguirem juntos em direção ao lado sul da fronteira.

Como não existe ainda um tratado de paz entre os dois países, tecnicamente a guerra da Coreia dura até hoje, mais de 70 anos depois de seu início.