Topo

Após conversa com Kim, Trump decreta fim de exercícios militares dos EUA na Coreia do Sul

Do UOL, em São Paulo

2018-06-12T06:01:27

2018-06-12T10:02:32

12/06/2018 06h01Atualizada em 12/06/2018 10h02

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decretou nesta terça-feira o fim dos exercícios militares norte-americanos em conjunto com a Coreia do Sul, realizados frequentemente na península e condenados pelo regime do Norte.

A decisão ocorreu após Trump e Kim Jong-un, líder norte-coreano, assinarem uma declaração conjunta em Singapura. Os EUA se comprometeram em "providenciar garantias de segurança" à Coreia do Norte, enquanto Kim Jong-un "reafirmou seu firme e inabalável comprometimento pela desnuclearização completa da península coreana".

Questionado sobre quais seriam as "garantias de segurança" concedidas pelos Estados Unidos, na entrevista que ocorreu após o encontro, Trump negou que isso estivesse relacionado a uma redução de contingente militar norte-americano na Coreia do Sul e criticou os exercícios militares, realizados há décadas e que agora serão interrompidos.

"Quero tirar os mais de 20 mil soldados americanos da Coreia do Sul e trazê-los para casa, isso foi uma promessa minha de campanha. Mas não fez parte do que estamos discutindo hoje ", afirmou Trump. "O que vamos fazer é parar os 'jogos de guerra' e vamos economizar bastante dinheiro com isso", acrescentou.

"Fizemos esses exercícios [militares] por muito tempo com a Coreia do Sul. Eu chamo de 'jogos de guerra' porque eles são muito caros, gastamos dinheiro demais com isso. Colocamos no ar bombardeiros direto [da base militar] de Guam para esses testes. São seis horas e meia de voo para jogar uma bomba na Coreia do Sul em um teste militar e voltar. É caro e acho que é provocador demais. Quando vejo esses testes, pensando que há um país ali do lado, vejo que é inapropriado", declarou.

O último exercício militar conjunto, realizado há cerca de um mês, estremeceu as negociações entre EUA e Coreia do Sul com a Coreia do Norte, gerando ataques do regime Kim. As relações só foram reestabelecidas após novas conversas envolvendo Washington e Pyongyang que desencadearam na cúpula de Singapura.

Questionado sobre as possíveis ações militares que Trump considera caso a Coreia do Norte não respeite o compromisso assinado hoje, o presidente norte-americano afirmou que "não queria realizar ameaças" neste momento.

Desnuclearização e sanções

Questionado sobre o prazo da "desnuclearização completa" da Coreia do Norte, prometida no documento, Trump disse que ela será feita "o mais rápido possível, mecanicamente falando". "A desnuclearização demora bastante tempo, cientificamente falando. Mas o processo vai começar rapidamente e será feito o mais rápido possível."

De acordo com Trump, as sanções norte-americanas à Coreia do Norte terminarão quando os mísseis do regime Kim forem desativados. Segundo ele, Kim Jong-un lhe disse que a Coreia do Norte "já está destruindo seus principais centros de testes nucleares", o que seria um passo em direção à desnuclearização.

O acordo firmado hoje entre EUA e Coreia do Norte não estabelece nenhum prazo para a desnuclearização, nem determina que ela tenha que ser "completa, verificável e irreversível", como tinha defendido inicialmente a Casa Branca antes do encontro entre Kim e Trump.

Leia mais:

O presidente americano negou, no entanto, ter feito muitas concessões a Kim em troca de um vago compromisso de desnuclearização."Não cedi em nada. Estou aqui, não dormi nas últimas 25 horas, mas pensei que isso era importante", ressaltou.

Segundo Trump, os dois países estão "preparados para começar um novo capítulo na história das duas nações". Trump classificou as negociações de mais de quatro horas como "honestas, diretas e produtivas".

Trump também afirmou que um novo encontro com Kim "provavelmente será necessário" para as negociações continuarem, mas ainda não há data estabelecida para essa reunião, de acordo com o presidente. Ele afirmou que os dois líderes deverão realizar visitas oficiais a Pyongyang e à Casa Branca "no momento apropriado".

China apoia encontro

O governo da China, maior aliado da Coreia do Norte, celebrou o encontro, o primeiro entre um presidente americano em exercício e um líder norte-coreano. Pequim fez um novo apelo à "desnuclearização total" de seu vizinho.

"Hoje, o fato de que os principais dirigentes dos dois países se sentam juntos para negociações de igual para igual tem um significado importante e constitui o começo de uma nova história", afirmou o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi.

"A China celebra e dá seu apoio", declarou o ministro ao ser questionado se o país sentia estar marginalizado pela aproximação entre Washington e Pyongyang. "É um objetivo que esperávamos e pelo qual trabalhamos", disse. "Ao mesmo tempo é necessário um processo de paz para a península (coreana), para resolver as preocupações razoáveis da Coreia do Norte em termos de segurança", afirmou o ministro chinês.

"Ninguém pode duvidar do papel importante e único desempenhado pela China. E este papel continuará", prometeu. (Com agências internacionais)

Mais Notícias