Topo

Opinião: Príncipe saudita corre risco de ser um pária na cúpula do G20

AFP
23.out.2018 - Príncipe saudita, Mohammed bin Salman (à dir.), encontra membro da família do jornalista assassinado Jamal Khashoggi no palácio real, em Riad Imagem: AFP

Tamer Fakahany*

29/11/2018 04h00

Na maioria das cúpulas internacionais, a discórdia é geralmente mostrada do lado de fora, quando os manifestantes entram em confronto com a polícia a alguma distância dos corredores do poder.

Mas e quando a questão espinhosa está dentro da própria bolha?

Todos os olhos estarão voltados para o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, enquanto a cúpula do Grupo dos 20 (G20) se inicia em Buenos Aires no final desta semana. O príncipe, que parou em vários países árabes ao longo do caminho, aterrissou na Argentina na quarta-feira (28).

Em questão está o assassinato do colunista do Washington Post Jamal Khashoggi e as alegações de que o príncipe ordenou sua morte dentro do consulado saudita em Istambul no mês passado. Haverá líderes que não querem ser pegos em uma situação de sorriso ao lado do príncipe saudita.

É uma oportunidade de fotos que pode causar graves consequências, até nojo, e ter repercussões concretas em casa ao parecer exonerar ou legitimar o homem que as agências de inteligência norte-americanas concluíram que ordenou o assassinato.

Isso não será um problema para o presidente americano, Donald Trump, que atraiu a ira bipartidária no Congresso dos EUA por efetivamente dar ao príncipe um passe livre em nome de sua política "América Primeiro", baseada nas reivindicações amplamente exageradas de Trump sobre os contratos e investimentos militares sauditas nos Estados Unidos.

Pode ser que Trump se esforce para abraçar o líder saudita de fato enquanto outros se afastam, tratando-o como um pária.

Como tempero adicional, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que manteve a pressão internacional sobre a Arábia Saudita, também deve comparecer. O príncipe saudita pediu uma reunião com Erdogan à margem da cúpula, segundo Ancara.

A Arábia Saudita também está sob crescente pressão sobre o Iêmen, onde os esforços para acabar com a guerra que o príncipe herdeiro instigou estão ganhando certa força. Milhares de civis foram mortos em ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita, e o grupo de ajuda Save the Children disse recentemente que cerca de 85 mil crianças com menos de cinco anos de idade podem ter morrido de fome ou doença na guerra civil.

No entanto, não foram os horrores do conflito no Iêmen que provocaram indignação em todo o mundo.

O que aconteceu com a morte de Khashoggi que provocou declarações de pessoas como o conservador e outrora infalível amigo de Riad, o senador norte-americano Lindsey Graham, de que o príncipe herdeiro estava "desequilibrado"?

Em parte, foram as conexões de Khashoggi com políticos e jornalistas ocidentais, que mantiveram a pressão, de acordo com a H.A. Hellyer, associado associado sênior do Royal United Services Institute e do Atlantic Council.

“Tornou-se realmente difícil para os partidários do príncipe darem uma boa olhada em algo como isto. Eu acho que é muito mais sobre isso, eles não podem concordar com isso, não tem como analisar uma saída ou explicar como sair disso", disse Hellyer.

Outros líderes mundiais com sangue nas mãos receberam atenção indesejada em diferentes cúpulas e, em alguns casos, até foram expulsos.

O ditador da Síria, Bashar Assad, condenado em todo o mundo por massacrar seu próprio povo, foi suspenso da Liga Árabe.

O homem que transformou a guerra civil da Síria em favor de Assad, o presidente russo, Vladimir Putin, foi ele mesmo expulso do G8 após a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, onde os problemas entre Rússia e Ucrânia estão se formando novamente nesta semana. Desde então, Trump convocou Moscou para ser convidada de volta e os dois líderes realizaram sua própria cúpula em Helsinque no início deste ano.

O príncipe Mohammed deve manter conversas bilaterais com Putin neste fim de semana no G20. Putin não criticou a Arábia Saudita, nem o príncipe herdeiro, durante todo o desastre da morte de Khashoggi. Isso não é surpresa, já que o Reino Unido culpou diretamente a inteligência militar de Moscou de um plano próprio no exterior: o envenenamento de um ex-espião russo e sua filha na Inglaterra. A Rússia nega qualquer envolvimento.

Depois, houve o já morto líder líbio, Muammar Gaddafi, que boicotou os encontros da Liga Árabe por causa de uma série de guerras e ofensas.

E a Assembleia Geral das Nações Unidas, por décadas, hospedou líderes em sua sede na cidade de Nova York, que Washington considerou como inimigos. Houve protestos, mas o palco internacional deu a esses chefes de Estado uma plataforma chave.

O príncipe Mohammed precisa deste G20. Antes do rompimento do escândalo com Khashoggi, o príncipe herdeiro proclamava a Arábia Saudita como uma grande nação reformista econômica, geopolítica e aspirante. Embora o apoio da administração Trump pareça ser inabalável, outros estão revoltados. O projeto do príncipe Mohammed para modernizar a Arábia Saudita corre algum risco em termos de adesão internacional.

Ele seduziu o mundo dos negócios com promessas de uma oferta pública inicial para a estatal petrolífera estatal Saudi Arabian Oil Co., conhecida como Saudi Aramco, sugerindo que teria uma avaliação de US$ 2 trilhões. Mas a oferta foi adiada repetidamente.

Pouco depois do assassinato de Khashoggi, o príncipe herdeiro organizou uma conferência internacional pré-planejada que foi grandiosamente anunciada como a "Davos no deserto". Mas isso foi em sua terra natal. Aqueles que compareceram o fizeram por dependência econômica ou por apoio regional dos aliados do Golfo Árabe. Outros permaneceram longe. Havia algumas empresas, investidores e banqueiros dos EUA na cúpula, mas eles eram executivos de nível médio e não CEOs que conquistavam manchetes, muitos dos quais desistiram.

Talvez a incredulidade do príncipe herdeiro sobre a denúncia mundial e seu desejo de ser visto como um ator global, não como um pária, seja a razão pela qual ele se arrisca a ser evitado e condenado ao ostracismo em Buenos Aires. E com Trump e Putin apoiando o reino, ele deve ser recebido de braços abertos por dois dos mais poderosos jogadores do mundo.

* Tamer Fakahany é vice-diretor de coordenação global de notícias da AP e ajudou a dirigir a cobertura internacional da organização por 15 anos.