Topo

Grupo protesta contra Bolsonaro na embaixada brasileira na Nova Zelândia

Reprodução/Facebook Organise Aotearoa
Imagem: Reprodução/Facebook Organise Aotearoa

Marcelo Freire

Do UOL, em São Paulo

03/01/2019 15h25Atualizada em 04/01/2019 11h55

Um grupo neozelandês de ativistas de esquerda entrou na embaixada brasileira em Wellington, capital da Nova Zelândia, nesta quinta-feira (3), para protestar contra o novo presidente, Jair Bolsonaro.

O grupo, chamado Organise Aotearoa e que se autointitula como um movimento socialista, carregou faixas com os dizeres "Sem relações com nações fascistas" e "Solidariedade com o povo do Brasil", além de levar à embaixada uma imagem da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em março do ano passado. 

Reprodução/Twitter Organise Aotearoa
Ativistas levaram imagem de Marielle Franco com os dizeres "Marielle, descanse no poder" Imagem: Reprodução/Twitter Organise Aotearoa

Eles também pediram a expulsão do embaixador brasileiro na Nova Zelândia, o retorno do embaixador neozelandês em Brasília e o rompimento de relações entre os países, afirmando que o governo da Nova Zelândia "ficou em silêncio quando Bolsonaro foi eleito".Em um vídeo divulgado pelo grupo, os ativistas aparecem fazendo um manifesto na embaixada contra o que eles chamam de "governo fascista" de Bolsonaro, citando uma medida do novo presidente que afeta a demarcação de terras indígenas, agora sob responsabilidade do Ministério da Agricultura.

"Estamos mostrando solidariedade ao povo brasileiro, a nossos camaradas brasileiros, à população LGBTQ, aos indígenas, aos trabalhadores do Brasil. É para isso que estamos aqui hoje", diz um membro da organização em inglês.

As imagens mostram que um funcionário da embaixada intercede e diz que o grupo não pode se manifestar ali. O grupo neozelandês mantém a gravação por alguns minutos e entoa gritos contra o novo governo brasileiro. Eles também gritam "continuaremos a lutar para sempre", em maori, idioma dos nativos da Nova Zelândia.

Reprodução/Twitter Organise Aotearoa
Funcionário da embaixada brasileira pede a saída do grupo Imagem: Reprodução/Twitter Organise Aotearoa

O Ministério das Relações Exteriores brasileiro confirmou que houve a manifestação e disse que ela terminou pacificamente, sem ocorrências.

Ao UOL, o grupo Organise Aotearoa afirmou que o protesto reuniu nove manifestantes, neozelandeses, e durou cerca de 20 minutos. Eles afirmaram que deixaram a embaixada espontaneamente depois de "dizerem o que tinham para dizer". "Depois dos nossos discursos e cânticos, colamos alguns cartazes de Marielle Franco", afirmaram em email enviado à reportagem. 

Os manifestantes ainda disseram que ocuparam somente a recepção da embaixada, já que as outras salas estavam fechadas. Após o ato, o grupo afirmou que recebeu várias ameaças de morte de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, e também mensagens de apoio de brasileiros contrários às políticas do capitão reformado.  

O protesto apareceu no perfil do Twitter do vereador carioca Carlos Bolsonaro (PSC), replicando uma publicação que citava a manifestação na embaixada. A postagem repercutiu entre os seguidores do filho do presidente brasileiro.

"Fizemos discurso em solidariedade com os brasileiros indígenas e LGBT, porque Bolsonaro é um orgulhoso homofóbico que, como em seu primeiro ato como presidente, retirou dos indígenas o direito de demarcar suas terras", diz o grupo.

"A Nova Zelândia é um país colonizado com sua própria população indígena, os maori, lutando por sua autonomia contra um governo colonial que delegou direitos de terras dos maori para expandir a exploração de empresas privadas, que prejudica o meio ambiente. A Organize Aotearoa tem muitos membros maori e o compromisso de defender a autonomia dos maori de acordo com seus princípios."