Topo

Sob gritos de "mito", Bolsonaro chega a Washington para visita a Trump

Luciana Amaral

Do UOL, em Washington

17/03/2019 17h27Atualizada em 17/03/2019 20h31

Sob gritos de "mito" por poucos brasileiros presentes e forte esquema de segurança, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) pousou na Base Aérea de Andrews, em Maryland, hoje por volta das 16h40 e chegou à Blair House, complexo da Casa Branca onde ficará hospedado, em Washington D.C., às 17h20.

Bolsonaro terá uma agenda de reuniões com nomes proeminentes da direita, encontros com executivos e religiosos e, na terça (19), fará uma visita oficial ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Hoje à noite, Bolsonaro janta na residência do embaixador do Brasil, Sergio Amaral, junto a aliados nos Estados Unidos, como o escritor Olavo de Carvalho e o ex-estrategista de Trump, Steve Bannon.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) pousou na Base Aérea de Andrews, em Maryland (EUA), neste domingo - Presidência da República
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) pousou na Base Aérea de Andrews, em Maryland (EUA), neste domingo
Imagem: Presidência da República

Todo o perímetro imediato à Blair House e parte da Pennsylvania Avenue, onde está a Casa Branca, foi interditado pelo serviço secreto norte-americano para a chegada do presidente brasileiro. Pela manhã, os turistas ainda podiam andar livremente em frente à sede do governo. Ele foi um dos primeiros a desembarcar do carro e não falou com a imprensa na chegada à Blair House.

Segundo um integrante da comitiva que estava no avião presidencial, o voo foi tranquilo com mais turbulência na hora final.

No Twitter, Bolsonaro ressaltou o fato de que não onerará os cofres públicos se hospedando na Blair House e disse que "Brasil e Estados Unidos juntos assustam os defensores do atraso e da tirania ao redor do mundo". "Os quem (sic) tem medo de parcerias com um país livre e próspero? É o que viemos buscar!"

Ainda de acordo com o Bolsonaro na rede social, é a "primeira vez em muito tempo" que um presidente brasileiro "não antiamericano" vai a Washington. Ele classificou sua visita como "o começo de uma parceria pela liberdade e prosperidade, como os brasileiros sempre desejaram".

O comboio que transportou Bolsonaro da Base Aérea de Andrews até a Blair House continha pelo menos dez veículos, entre carros oficiais e de segurança, fora uma ambulância. A residência recebeu uma bandeira do Brasil na entrada para registrar a presença do mandatário. O objeto será retirado apenas quando Bolsonaro for embora.

A visita oficial de Bolsonaro aos Estados Unidos é a primeira viagem internacional que ele faz em caráter bilateral como chefe de Estado. No final de janeiro, o presidente foi a Davos, na Suíça, para o Fórum Econômico Mundial.

A última vez que um presidente foi recebido por seu respectivo par nos Estados Unidos foi em 2015, quando Dilma Rousseff (PT) se encontrou com Barack Obama. Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) também foram a Washington enquanto estiveram no mandato. Este último, aliás, recebeu tratamento de protocolo máximo de Estado, inclusive com jantar de gala.

Protestos "Not Him"

Mais cedo, um grupo de cerca de 50 pessoas, incluindo brasileiros, protestou contra a visita oficial. Os manifestantes chamaram Bolsonaro de "fascista" e "racista".

Eles seguravam placas e gritavam as palavras de ordem "Not Him", relembrando os protestos "Ele Não", de 2018. Os manifestantes, entre americanos e brasileiros, também levaram cartazes com os dizeres "todos contra o fascismo", "solidariedade para com o Brasil", "Bolsonaro não" e "República de laranjas".

A comitiva de Bolsonaro é formada por assessores e sete ministros: Paulo Guedes (Economia), Sergio Moro (Justiça), Tereza Cristina (Agricultura), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Um dos filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), chegou ontem pela manhã.

Eduardo esteve presente na sessão do documentário "O Jardim das Aflições", sobre a vida e filosofia do escritor Olavo de Carvalho, considerado um dos "gurus" do governo Bolsonaro.

Ele criticou os brasileiros que vivem ilegalmente nos EUA. "Um brasileiro ilegalmente fora do país é problema do Brasil. Isso é vergonha nossa, pra gente. Um brasileiro que vai para o exterior e comete qualquer tipo de delito...eu me sinto envergonhado", declarou.

Ele então citou o caso dos brasileiros que foram presos e mortos na Indonésia em 2015, após serem condenados por tráfico de drogas.

"Eu fiquei com vergonha, poxa. Até porque, além de tudo, colocou droga dentro da prancha de surfe. Outro botou droga dentro de asa-delta. A gente não tem que ver com orgulho, não. Tem que ver com vergonha", falou.

Internacional