Topo

Eduardo Bolsonaro diz que brasileiros ilegais no exterior são "vergonha"

Luciana Amaral

Do UOL, em Washington

17/03/2019 01h18

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), afirmou ontem em Washington que os brasileiros que vivem ilegalmente nos Estados Unidos são uma "vergonha" para o Brasil.

"Um brasileiro ilegalmente fora do país é problema do Brasil. Isso é vergonha nossa, pra gente. Um brasileiro que vai para o exterior e comete qualquer tipo de delito...eu me sinto envergonhado", declarou.

Ele então citou o caso dos brasileiros que foram presos e mortos na Indonésia em 2015, após serem condenados por tráfico de drogas.

"Eu fiquei com vergonha, poxa. Até porque, além de tudo, colocou droga dentro da prancha de surfe. Outro botou droga dentro de asa-delta. A gente não tem que ver com orgulho, não. Tem que ver com vergonha", falou.

Na visita oficial que fará aos Estados Unidos, Jair Bolsonaro assinará ato que isentará de visto cidadãos estadunidenses, japoneses, australianos e canadenses para entrar no Brasil.

Questionado se não faltará reciprocidade, Eduardo disse que a entrada de brasileiros no programa Global Entry --totens automáticos no lugar da fila da imigração em aeroportos norte-americanos para cidadãos sem antecedentes criminais está quase acertada e depende mais de burocracias do governo federal.

Em seguida, perguntou quantos estadunidenses moram ilegalmente no Brasil em comparação com a situação contrária.

"Será que eu tô falando algum absurdo em dizer que, sem a necessidade de visto [de turista], várias pessoas entrariam nos Estados Unidos de maneira ilegal e ilegalmente permaneceriam lá? Eu acredito que não", concluiu.

Olavo de Carvalho critica comunicação do governo

Eduardo esteve presente na sessão do documentário "O Jardim das Aflições", sobre a vida e filosofia do escritor Olavo de Carvalho, considerado um dos "gurus" do governo Bolsonaro.

O escritor Olavo de Carvalho fala após exibição do filme "O Jardim das Aflições" para convidados em hotel em Washington - Luciana Amaral/UOL
O escritor Olavo de Carvalho fala após exibição do filme "O Jardim das Aflições" para convidados em hotel em Washington
Imagem: Luciana Amaral/UOL

O evento serviu como um aquecimento ao jantar para convidados conservadores a ser realizado amanhã na Blair House com o presidente. Bolsonaro chega amanhã à cidade para, entre outros compromissos, se encontrar com Trump na terça-feira (19).

Segundo Eduardo Bolsonaro contou ao UOL, ele chegou mais cedo a Washington especialmente para participar da reunião, que depois contou com jantar em sala reservada a convidados no principal restaurante do hotel de Trump.

Em conversa com a reportagem, Olavo de Carvalho expressou opiniões parecidas com as de Eduardo sobre a falta de reciprocidade na isenção de vistos: "Eles vão lá para ser prostitutas, leões de chácara? Vão lá para isso? Distribuidor de droga? Não. Mas alguma reciprocidade tem de ter, alguma é obrigatória. Eu acho que deve ter, mas isso é o máximo que posso dizer", disse.

O escritor voltou a dizer que o presidente está cercado de traidores e citou o episódio do MEC (Ministério da Educação) em que pediu para que seus ex-alunos saíssem de cargos da atual administração. Olavo afirmou ter conversado somente duas vezes com o ministro da pasta, Ricardo Vélez Rodríguez. A segunda, conta, para mandar ele "tomar no c*".

A reportagem pediu que Olavo falasse, a seu ver, qual o maior acerto e o maior erro nos três primeiros meses do governo Bolsonaro.

Inicialmente, disse não ser capaz de responder. Depois, revelou sua opinião de falha: a comunicação. "A comunicação do governo com o povo está péssima. Isso eu acho. Simplesmente não se comunica. Do Planalto para o povo."

Internacional